Questões de História Geral

EXERCÍCIOS


PRÉ-HISTÓRIA – 35 QUESTÕES

Questões de Vestibular: Pré-história

(UFRR/RR) - Questão 1:
Considere as afirmações sobre o período paleolítico:
I - Paleolítico é o primeiro e mais extenso período que conhecemos da história da humanidade, nele surgem os primeiros hominídeos antepassados do homem moderno;
II - Com o desenvolvimento da mente e a acumulação de experiências e conhecimentos, os homens primitivos foram aperfeiçoando seus instrumentos, utensílios domésticos e armas, suas técnicas e meios de subsistência;
III - Os homens do paleolítico viviam de uma maneira muito primitiva, em grupos nômades, ou seja, se deslocavam constantemente de região para região em busca de alimentos. Habitavam em cavernas, copas de árvores, saliências rochosas, ou tendas feitas de galhos e cobertas de folhas ou de pele de animais;
IV - Os instrumentos ou ferramentas do paleolítico eram de pedra, madeira ou osso. A técnica usada para fabricar seus instrumentos era de bater na pedra de maneira a lhe dar a forma adequada para cortar, raspar ou furar.
Em relação às proposições acima podemos afirmar que:
A - Todos os itens são falsos.
B - Todas estão corretas.
C - Apenas o item I é verdadeiro.
D - Apenas o item II é falso.
E - Os itens II, III e IV são falsos.

(UFMS) - Questão 2:
O Monumento megalítico, ou megálito, do grego mega, megalos, grande, e lithos, pedra, designa uma construção monumental com base em grandes blocos de pedras rudes. Stonehenge é um monumento megalítico, localizado próximo a Amesbury, no condado de Wiltshire, cerca de 13 quilômetros a Noroeste de Salisbury, na Inglaterra.
A que época histórica pertence o monumento megalítico ou megálito?
A - Idade do Bronze.
B - Classicismo.
C - Renascimento.
D - Antiguidade Clássica.
E - Período Helenístico.

(UDESC) - Questão 3:
A pré-história do Brasil tem sido alvo de reflexões e pesquisas recentes, evidenciando a existência de populações numerosas, na configuração dos sambaquis.
A partir dessa afirmativa, é incorreto dizer que:
A - Os homens e as mulheres dos sambaquis se alimentavam exclusivamente da caça e coleta de frutos silvestres, o que levou ao extermínio, pela falta de alimento adequado.
B - No litoral do Brasil, que vai do Sul da Bahia ao Rio Grande do Sul, existem aglomerados de concha, chamados de concheiras ou sambaquis, em cujo interior se encontravam vestígios dos antigos habitantes.
C - Existem sambaquis com até 8 mil anos de antiguidade.
D - No litoral de Santa Catarina os sambaquis atingem proporções que impressionam, com até 30 metros de altura (o que equivale a um prédio de dez andares).
E - No interior dos sambaquis são encontrados esqueletos humanos, o que evidencia sua utilização para rituais funerários.

(UDESC) - Questão 4:
O estudo da Pré-História abrange um longo período da história humana. Uma das periodizações mais conhecidas distingue pelo menos dois grandes períodos. Sobre esses períodos e suas distinções, é incorreto afirmar:
A - No período denominado como neolítico dá-se a descoberta e o controle do fogo, uma das maiores conquistas desse período, que permitiu aos seres humanos a fundição dos metais.
B - De modo bem geral, o período paleolítico está para as sociedades de caçadores-coletores assim como o período neolítico está para a agricultura e a criação de animais.
C - Tanto o termo paleolítico quanto o neolítico referem-se à forma de tratamento da pedra.
D - O período denominado como paleolítico se inicia há aproximadamente 4 milhões de anos, e se estende até cerca de 10000anos.
E - O período denominado como neolítico se inicia há aproximadamente 8000 a.C. e se estende até, aproximadamente, 4000 a.C.

(UEMS) - Questão 5:
Os homens das sociedades pré-históricas, gradativamente, superam suas limitações físicas e de raciocínio, bem como de adaptação ao meio, criando condições materiais para garantir sobrevivência e expansão geográfica. Sobre esse longo período, no qual viveram essas sociedades, é correto afirmar que:
A - a principal conquista do Neolítico foi o domínio do fogo, que possibilitou ao homem defender-se de animais, cozer os alimentos, aquecer-se no frio e sedentarizar-se, organizando-se em tribos e vivendo em aldeias agrícolas.
B - a principal conquista do Paleolítico foi a Revolução Agrícola, que possibilitou ao homem se tornar sedentário e garantir sua alimentação.
C - o Mesolítico é a fase de transição entre o Neolítico e o Paleolítico inferior.
D - o Peleolítico Superior é o período mais extenso da Antiga Idade da Pedra, no qual temos o surgimento do homo sapiens.
E - o Paleolítico é caracterizado como período da pedra lascada, em que o homem era nômade e travava a luta pela sobrevivência tendo por base a caça, a pesca e a coleta.

(UFBA) - Questão 6:
Os usos, os costumes, as tradições, as técnicas e as formas de ser que caracterizam os povos ao longo da história da humanidade e que constituem a cultura relacionam-se e influenciam-se mutuamente.
Com base nessa afirmação e nos conhecimentos sobre cultura, pode-se concluir:
1 - Costumes cotidianos e técnicas de produção de utensílios eram passados de um povo para outro desde a Antiguidade, através do comércio, das campanhas militares e das migrações sistemáticas.
2 - A tradição oral como fonte de recuperação da memória nas sociedades modernas foi extinta e superada pelo aparecimento da escrita e do registro gráfico dos fatos acontecidos ao longo da história dessas sociedades.
4 - As expressões populares da cultura caracterizam-se pela diversidade de formas e origens, pela espontaneidade e pela marca das experiências regionais, o que contribui para a formação da consciência regional dos diferentes grupos sociais.
8 - A dominação política e militar por povos culturalmente diferentes daqueles que foram conquistados pode resultar em variadas formas de síntese cultural, observadas, dentre outras, através de transformações produzidas nas línguas faladas entre eles.
16 - Os povos ágrafos, por não usarem a escrita, valem-se de outros recursos para se comunicar, destacando-se, dentre esses, os rituais, as festas e as cerimônias, de cunho religioso e/ou profano.
32 - A preservação de hábitos do cotidiano e de valores sociais antigos, por parte de populações das áreas rurais brasileiras, tem contribuído para impedir a penetração dos meios de comunicação mais eficientes, a exemplo do rádio e da televisão.

(UFMS) - Questão 7:
A respeito do processo de evolução que favoreceu o surgimento do Homo sapiens moderno, pode-se dizer que:
A - recentes pesquisas arqueológicas atestam que a origem da humanidade se deu na Ásia e que o Homo floresiensis, encontrado na Ilha da Flores, Indonésia, foi a primeira espécie do gênero Homo conhecida em todo o planeta;
B - ao que tudo indica, logo que o homem moderno sugiu na África, há cerca de 120 mil anos, a diversidade ambiental do planeta induziu o processo de diversificação genética e morfológica da nossa espécie;
C - na década de 1970, na região de Lagoa Santa, em Minas Gerais, arqueólogos brasileiros e franceses desenterraram a famosa Luzia, nome que deram ao esqueleto de uma mulher que ali viveu há cerca de 200 mil anos. Portanto, ao contrário do que se pensava, o Brasil é um fortíssimo candidato a ser o país onde pode ter surgido o homem moderno;
D - o Homo sapiens moderno surgiu diretamente da evolução do Homo sapiens neanderthalensis e do Homo erectus, que viveram na Europa centro-oriental, entre 200 e 15 mil anos atrás;
E - a medida que houve o processo de evolução biológica, uma das tendências marcantes foi a diminuição da capacidade craniana dos australopitecus, os primeiros hominídeos, até o Homo sapiens sapiens, a nossa epécie.

(UFMS) - Questão 8:
A respeito da “Revolução Neolítica”, também conhecida como “Revolução Agrícola”, é correto afirmar que:
A - significou uma radical mudança no modo de vida das sociedades humanas, haja vista que elas se tornaram menos sedentárias e mais dependentes da caça e da coleta para a sua sobrevivência;
B - nas Américas, a “Revolução Neolítica” corresponde ao período chamado de “Paleoíndio”, ou seja, aquele referente aos primeiros povoados do continente;
C - teve início devido a vários fatores, entre os quais as mudanças climáticas de repercussão planetária e o aumento da população humana em certas regiões do globo;
D - o desenvolvimento da agricultura se deu de forma independente e dissociada do processo de domesticação de animais como bois, carneiros, porcos e patos, entre outros, seja nas Américas, seja na África e na Eurásia;
E - via de regra, tanto nas Américas como na Eurásia, mulheres tiveram pouco ou nenhum papel relevante no processo de produção de vegetais domesticados e na criação de animais.

(UFMS) - Questão 9:
A passagem da locomoção quadrúpede para a bípede exigiu mudanças substanciais na estrutura anatômica do corpo. Os humanos têm membros posteriores mais curtos, uma pélvis mais achatada, dedos das mãos e pés retos, e uma região lombar reduzida quando a comparamos com as dos gorilas e chimpanzés. (LEAKEI, R. A origem da espécie humana.)
Estudos da Pré-História humana permitem concluir que o hominídeo mais primitivo é:
A - Homo sapiens;
B - Australopithecus afarensis;
C - Ramaphitecus;
D - Cro-Magnon;
E - Neandertalensis.

(UFPE) - Questão 10:
A construção da história está relacionada com a capacidade dos seres humanos de superar obstáculos. Desde os primeiros tempos, os homens e as mulheres lutaram contra as mais diversas dificuldades, buscando com suas invenções obter melhores condições de vida. Nessa construção, marcada também por inseguranças e incertezas, tivemos, no período Neolítico:
A - a superação de muitos obstáculos, mas nada que significasse mudanças culturais expressivas e trouxesse redefinições na vida social da época;
B - uma vida social baseada no sedentarismo dos grupos, trazendo dificuldades para uma maior exploração da natureza e melhoria das condições de alimentação;
C - invenções culturais expressivas, que levaram à superação de muitas dificuldades e a um maior domínio sobre a natureza;
D - a intensificação das guerras entre as tribos, que impediram o surgimento de uma organização social mais sedentária;
E - uma homogeneidade cultural, que aproximou os grupos sociais e ampliou o nomadismo e as atividades de caça e pesca.

(UNESP/SP) - Questão 11:
Nos últimos anos, apoiada em técnicas mais avançadas, a arqueologia tem fornecido pistas e indícios sobre a história dos primeiros habitantes do território brasileiro antes da chegada dos europeus. Sobre esse período da história, é possível afirmar que:
A - as práticas agrícolas, até a chegada dos europeus, eram desconhecidas por todas as populações nativas que, conforme os vestígios encontrados, sobreviviam apenas da coleta, caça e pesca;
B - os vestígios mais antigos de grupos humanos foram encontrados na região do Piauí e as datações sobre suas origens são bastante controvertidas, variando entre 12 mil e 40 mil anos;
C - os restos de sepulturas e pinturas encontrados em cavernas de várias regiões do país indicam que os costumes e hábitos desses primeiros habitantes eram idênticos aos dos atuais indígenas nas reservas;
D - os sambaquis, vestígios datados de 20 mil anos, comprovam o desconhecimento da cerâmica entre os indígenas da região, técnica desenvolvida apenas entre povos andinos, maias e astecas;
E - os sítios arqueológicos da ilha de Marajó são provas da existência de importantes culturas urbanas com sociedades estratificadas que mantinham relações comerciais com povos das Antilhas e América Central.

12. Sobre o surgimento da agricultura e seu uso intensivo pelo homem, pode-se afirmar que:
a) foi posterior, no tempo, ao aparecimento do Estado e da escrita;
b) ocorreu no Oriente Próximo (Egito e Mesopotâmia) e daí se difundiu para a Ásia (Índia e China), Europa e, a partir desta, para a América;
c) como tantas outras invenções, teve origem na China, de onde se difundiu até atingir a Europa e, por último, a América;
d) ocorreu, em tempos diferentes, no Oriente Próximo (Egito e Mesopotâmia), na Ásia (Índia e China) e na
América (México e Peru);
e) de todas as invenções fundamentais, a metalurgia e o comércio foram as que menos contribuíram para o ulterior progresso material do homem.

13. Estabeleça a relação entre as revoluções do Período Neolítico e o surgimento do modo de produção asiático.

14. "De um estado de barbárie homogêneo e mais ou menos estático, vai nascer a complexidade de aspectos do mundo moderno. Esta transformação, de consideráveis conseqüências, foi extraordinariamente rápida e começou durante o quarto milênio a. C. Longe de ser geral, ela se produziu em algumas regiões onde as condições de vida lhe eram favoráveis. Nessas regiões, a vida do homem modificou-se muito rapidamente, enquanto na maior parte do mundo o modo de existência primitivo persistiu durante séculos, talvez milênios." (J. Hawkes, Histoire de l'Humanité, Ed. UNESCO)
O texto refere-se à fase final do Neolítico, quando o homem desenvolveu novas técnicas e aprimorou seus conhecimentos. Identifique as transformações ocorridas nesse período.

Responda às questões 15 e 16 utilizando o seguinte código:
a) Se apenas I e II estiverem corretas
b) Se apenas II e III estiverem corretas
c) Se apenas I e III estiverem corretas
d) Se todas estiverem corretas
e) Se todas estiverem incorretas

15.
I. A arte nasceu no Paleolítico Superior.
II. Nas paredes de suas cavernas, os homens daquela época fizeram representações de cenas de caça.
III. A característica dessas pinturas era o naturalismo.

16.
I. Traços esquematizados são características da pintura neolítica.
II. Entre os monumentos megalíticos, destacamos os de Stonehege (Inglaterra).
III. As pedras fincadas no chão são denominadas cromlech e, quando estão dispostas em círculos, denominam-se menires.

17. Leia as afirmações abaixo:
I. As civilizações pré-históricas não se desenvolveram no mesmo período de tempo, nas várias regiões do mundo.
II. A divisão da Pré-História não pode fundamentar-se em acontecimentos, mas nos melhoramentos das técnicas com que eram fabricados os instrumentos.
III. Os monumentos megalíticos estariam associados ao culto dos mortos. a) Apenas I e II estão corretas
b) Apenas II e III estão corretas
c) Apenas I e III estão corretas
d) Todas estão corretas
e) Todas estão incorretas

18. No período Neolítico, a sociedade conheceu importantes transformações, exceto:
a) o início do processo de sedentarização;
b) a passagem do estado de selvageria para o de barbárie;
c) o desenvolvimento da agricultura e do pastoreio;
d) a transição para uma economia coletora, pescadora e caçadora;
e) a utilização dos animais como força complementar à do homem.

19. "A partir de 18.000 a. C., com o fim da última Idade do Gelo, algumas regiões da Terra começaram a conhecer um processo regular de transbordamento dos grandes cursos fluviais, como o Tigre, Eufrates, Nilo, Indo e Amarelo, tornando possível a prática da agricultura."
As civilizações que se desenvolveram ao longo desses rios formaram no seu conjunto:
a) o modo de produção escravista;
b) o modo de produção asiático;
c) o comunitarismo familiar;
d) o feudalismo despótico oriental;
e) o sistema mercantil escravista.

20. Quais os países do Oriente Médio atual que correspondem às regiões da Antigüidade Oriental, representadas pela Mesopotâmia, Fenícia, Palestina e Pérsia, respectivamente?
a) Irã-Iraque, Arábia, Israel e Síria;
b) Iraque, Líbano, Israel e Irã;
c) Líbano, Israel, Síria e Jordânia;
d) Iraque, Líbano, Irã e Israel;
e) Israel, Irã, Iraque e Líbano.

21. Leia as afirmações abaixo:
I. A arte nasceu no Paleolítico Superior.
II. Nas paredes de suas cavernas, os homens daquela época fizeram representações de cenas de caça.
III. A característica dessas pinturas era o naturalismo.
a) Apenas I e II são corretas
b) Apenas I e III estão corretas
c) Apenas I e III estão corretas
d) Se todas estão corretas
e) Todas estão incorretas

22. Leia as afirmações abaixo:
I. As civilizações pré-históricas não se desenvolveram no mesmo período de tempo, nas várias regiões do mundo.
II. A divisão da Pré-História não pode fundamentar-se em acontecimentos, mas nos melhoramentos das técnicas com que eram fabricados os instrumentos.
III. Os monumentos megalíticos estariam associados ao culto dos mortos.
a) Apenas I e II estão corretas
b) Apenas II e III estão corretas
c) Apenas I e III estão corretas
d) Todas estão corretas
e) Todas estão incorretas

23. Leia as afirmações abaixo:
I. Traços esquematizados são características da pintura neolítica.
II. Entre os monumentos megalíticos, destacamos os de Stonehege (Inglaterra).
III. As pedras fincadas no chão são denominadas cromlech e, quando estão dispostas em círculos, denominam-se menires.
a) Apenas I e II são corretas
b) Apenas I e III estão corretas
c) Apenas I e III estão corretas
d) Se todas estão corretas
e) Todas estão incorretas

24. "A partir de 18.000 a. C., com o fim da última Idade do Gelo, algumas regiões da Terra começaram a conhecer um processo regular de transbordamento dos grandes cursos fluviais, como o Tigre, Eufrates, Nilo, Indo e Amarelo, tornando possível a prática da agricultura." As civilizações que se desenvolveram ao longo desses rios formaram no seu conjunto:
a) o modo de produção escravista;
b) o comunitarismo familiar;
c) o feudalismo despótico oriental;
d) o modo de produção asiático;
e) o sistema mercantil escravista.

25. Sobre o surgimento da agricultura e seu uso intensivo pelo homem, pode-se afirmar que:
a) de todas as invenções fundamentais, a metalurgia e o comércio foram as que menos contribuíram para o ulterior progresso material do homem;
b) como tantas outras invenções, teve origem na China, de onde se difundiu até atingir a Europa e, por último, a América;
c) ocorreu no Oriente Próximo (Egito e Mesopotâmia) e daí se difundiu para a Ásia (Índia e China), Europa e, a partir desta, para a América;
d) foi posterior, no tempo, ao aparecimento do Estado e da escrita;
e) ocorreu, em tempos diferentes, no Oriente Próximo (Egito e Mesopotâmia), na Ásia (Índia e China) e na América (México e Peru).

26. Sobre o surgimento da agricultura - e seu uso intensivo pelo homem pode-se afirmar que:
a) de todas as invenções fundamentais, como a criação de animais, a metalurgia e o comércio, foi a que menos contribuiu para o ulterior progresso do homem.
b) como tantas outras invenções, teve origem na China donde se difundiu até atingir a Europa e, por último, a América.
c) ocorreu no Oriente Próximo ( Egito e Mesopotâmia ) e daí se difundiu para a Ásia (Ìndia e China), Europa e, a partir desta, para a América.
d) foi posterior, no tempo, ao aparecimento do Estado e da escrita.
e) ocorreu, em tempos diferentes, no Oriente Próximo ( Egito e Mesopotâmia), na Ásia (Ìndia e China) e na América.

27. "De um estado de barbárie homogêneo e mais ou menos estático, vai nascer a complexidade de aspectos do mundo moderno. Esta transformação, de consideráveis conseqüências, foi extraordinariamente rápida e começou durante o quarto milênio a. C. Longe de ser geral, ela se produziu em algumas regiões onde as condições de vida lhe eram favoráveis. Nessas regiões, a vida do homem modificou-se muito rapidamente, enquanto na maior parte do mundo o modo de existência primitivo persistiu durante séculos, talvez milênios." (J. Hawkes, Histoire de l'Humanité, Ed. UNESCO)
O texto refere-se à fase final do Neolítico, quando o homem desenvolveu novas técnicas e aprimorou seus conhecimentos. Identifique as transformações ocorridas nesse período.
a) Surgimento da agricultura e vida urbana.
b) Surgimento da agricultura.
c) Surgimento da vida urbana.
d) Surgimento de um mundo moderno.

28. Estabeleça a relação entre as revoluções do Período Neolítico e o surgimento do modo de produção asiático.
a) Não há como estabelecer uma relação entre esses períodos.
b) O modo asiático, definido a partir da propriedade particular das terras, configurou-se no Oriente Médio e Próximo como produto das Revoluções Agrícola e Urbana, ocorridas no Período Neolítico.
c) O modo asiático, definido a partir da propriedade estatal das terras e do poder teocrático, configurou-se no Oriente Médio e Próximo como produto das Revoluções Agrícola e Urbana, ocorridas no Período Neolítico.
d) Nenhuma das anteriores estão corretas.

29. No período Neolítico, a sociedade conheceu importantes transformações, exceto:
a) a transição para uma economia coletora, pescadora e caçadora;
b) a utilização dos animais como força complementar à do homem;
c) a passagem do estado de selvageria para o de barbárie;
d) o início do processo de sedentarização;
e) o desenvolvimento da agricultura e do pastoreio.

30. UFRS Recentemente, no estado americano de Arkansas, a teoria da evolução elaborada por Charles Darwin foi retirada dos currículos e teve proibida a sua utilização. Não obstante, os estudos paleontológicos, antropológicos e arqueológicos vêm possibilitando avanços na compreensão do período da pré-história, confirmando a existência de um longo período em que ocorreu o processo de hominização. Sobre esse processo, analise as afirmações abaixo.
I. As mais antigas formas de vida humana registradas pela Paleontologia denominamse hominídeos, como comprovam os achados dos fósseis identificados como Australopithecus, Pithecantropus, Sinantropus, entre outros.
II. Os fósseis demonstram que, no curso evolutivo da Humanidade, mais de um milhão de anos antes de surgir o Homo Sapiens, existiram várias espécies a caminho da humanização, e as mudanças físicas ocorridas ao longo de centenas de milhares de anos propiciaram sua adaptação a qualquer ambiente.
III. As evidências arqueológicas indicam que a espécie humana não nasceu pronta nem física, nem culturalmente. Necessitou de um enorme período de tempo para desenvolver um conjunto de habilidades técnicas e de conhecimentos que lhe permitisse elaborar instrumentos de trabalho e utensílios.
Quais estão corretas?
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.

31. UFMS O texto a seguir refere-se à Revolução Neolítica, ocorrida na Pré-História: “A primeira revolução que transformou a economia humana deu ao homem o controle sobre o abastecimento de sua alimentação. O homem começou a plantar, cultivar e aperfeiçoar, pela seleção, as ervas, raízes e árvores comestíveis. E conseguiu domesticar e colocar sobre sua dependência certas espécies de animais, em troca do alimento, da produção e da previsão que podia oferecer. Os passos estão intimamente relacionados.”
CHILDE, Vere Gordon. A Evolução Cultural do Homem. 5ª ed, Rio de Janeiro: Zahar, 1986, p.770.
Sobre esse assunto, é correto que:
01. a domesticação de cabras, gado de chifre, ovelhas e porcos não fez parte da Revolução Neolítica no Velho Mundo.
02. o cultivo da cevada e do trigo também favoreceu um aumento da produção de alimentos e, por conseguinte, um significativo crescimento da população humana no vale do Nilo, região localizada no continente africano.
04. há cerca de 100.000 anos, aproximadamente 25% da população humana existe no planeta passou a adotar uma economia baseada na produção de vegetais e na criação de animais, abolindo a caça e a coleta de suas atividades econômicas.
08. o cultivo de batatas, cucurbitáceas, feijões e milhos, somando à criação de Lhamas e porcos da Índia, também marcaram a economia neolítica em algumas regiões da América do Sul e constituem um dos legados dos povos ameríndios à humanidade.
16. as revoluções econômicas ocorridas na Pré-história só foram possíveis porque os homens dispunham de um conjunto de experiências e conhecimentos acumulados ao longo de várias gerações.
Dê, como resposta, a soma das alternativas corretas.

32. UFPB A historiografia costuma chamar as sociedades que se desenvolveram antes da invenção da escrita como “pré-históricas”. Os homens dessas sociedades paulatinamente superaram suas deficiências físicas e de raciocínio, bem como de adaptação ao ambiente,
onde passaram a criar condições materiais para sobreviver. Sobre esse longo período, em que viveram essas sociedades, afirma-se:
I. O paleolítico é caracterizado como o período da pedra lascada, em que a luta pela sobrevivência tinha por base a caça, a pesca e a coleta. Os homens eram nômades, viviam em bandos e habitavam as cavernas.
II. A principal conquista do neolítico foi o domínio do fogo, que possibilitou ao homem defender-se de animais, preparar alimentos, proteger-se do frio e sedentarizar-se, organizando-se em tribos e vivendo em aldeias agrícolas auto-suficientes.
III. Duas características marcaram a Idade dos Metais: a revolução urbana e o uso de instrumentos de metal na fabricação de utensílios e armas. Esse período se distingue pela harmonia entre os povos.
Considerando as afirmativas, está(ão) correta(s):
a) apenas I;
b) apenas II;
c) apenas III;
d) apenas I e II;
e) todas as alternativas estão corretas.

33. UFPE Alguns historiadores afirmam que a História iniciou quando a humanidade inventou a escrita. Nessa perspectiva, o período anterior à criação da escrita é denominado Pré-História. Sobre esse assunto assinale a alternativa correta.
a) A história e a Pré-História só podem se diferenciar pelo critério da escrita. Logo, aqueles historiadores que não concordam com esse critério estão presos a uma visão teológica da História.
b) Esta afirmação não encontra qualquer contestação dos verdadeiros historiadores, pois ela é uma prova irrefutável de que todas as culturas evoluem para a escrita.
c) Os historiadores que defendem a escrita como único critério que diferencia a História da Pré-História reafirmam a tradição positivista da História.
d) A escrita não pode ser vista como critério para distinguir a História da Pré-História, pois o aspecto econômico é considerado um critério muito mais importante.
e) Os únicos historiadores que defendem a escrita como critério são os franceses, em razão da influência da filosofia iluminista.

34. UFPE Sobre os ancestrais do homem moderno, é falso afirmar que:
a) no Paleolítico inferior, viveram os primeiros bandos de Australopitecos, Pithecantropus, Sinantropus e Paleontropus, todos pertencentes à família dos homínidas;
b) os hominídeos do Pleistoceno, ao contrário dos homínidos do Paleolítico inferior, se constituíam em uma única espécie;
c) com base nos estudos dos artefatos produzidos pelos homínidos, foram classificadas duas culturas: a cultura do núcleo e a cultura das lascas;
d) vivendo em bandos, os hominídeos desenvolveram cooperação, produção e transmissão de conhecimento;
e) segundo estudos geológicos e paleontológicos, os ancestrais do Homo sapiens, assim como o Homo sapiens, última espécie hominídea, surgiu no Pleistoceno.

35. UFSE Sobre a Pré-história é correto afirmar que:
( ) A Pré-história corresponde à primeira etapa da evolução humana e antecede à Idade Antiga.
( ) A Pré-história teve início com o surgimento dos primeiros hominídeos, perto de quatro milhões de anos atrás, e estende-se até o aparecimento dos primeiros registros escritos, por volta de 4.000 a.C.
( ) A Pré-história, no Brasil, envolve todos os registros culturais da antiga cultura indígena.
( ) Os sítios arqueológicos situados no litoral brasileiro são em pequeno número e chamados de sambaquis ou concheiros.
( ) A arte rupestre abrange pinturas em cores, em branco e preto, sinais gravados, representações estranhas, comumente encontradas no Brasil, em paredes rochosas de grutas, em lajes de pedras ao ar livre, em fragmentos de rochas, em nichos pétreos,
enfim nas superfícies mais diversas e nos locais mais variados.

GABARITO:
1: B 2: A 3: A 4: A 5: E 6: 29 7: B 8: C 9: B 10: C 11: B 12: D
13: O modo asiático, definido a partir da propriedade estatal das terras e do poder teocrático, configurou-se no Oriente Médio e Próximo como produto das Revoluções Agrícola e Urbana, ocorridas no Período Neolítico.
14: Surgimento da agricultura e vida urbana.
15: D 16: A 17: D 18: D 19: B 20: B 21: D 22: D 23: A 24: D 25: E 26: E
27: A 28: C 29: A 30: D 31: 26 32: D 33: C 34: B 35: V – V – V – F – V

IDADE MÉDIA – 28 QUESTÕES
1. (Enem/1999) Considere os textos abaixo.
"(...) de modo particular, quero encorajar os crentes empenhados no campo da filosofia para que iluminem os diversos âmbitos da atividade humana, graças ao exercício de uma razão que se torna mais segura e perspicaz com o apoio que recebe da fé."
(Papa João Paulo II. Carta Encíclica Fides et Ratio aos bispos da Igreja católica sobre as relações entre fé e razão, 1998)
"As verdades da razão natural não contradizem as verdades da fé cristã."
(Santo Tomás de Aquino – pensador medieval)
Refletindo sobre os textos, pode-se concluir que:
a) a encíclica papal está em contradição com o pensamento de Santo Tomás de Aquino, refletindo a diferença de épocas.
b) a encíclica papal procura complementar Santo Tomás de Aquino, pois este colocava a razão natural acima da fé.
c) a Igreja medieval valorizava a razão mais do que a encíclica de João Paulo II.
d) o pensamento teológico teve sua importância na Idade Média, mas, em nossos dias, não tem relação com o pensamento filosófico.
e) tanto a encíclica papal como a frase de Santo Tomás de Aquino procuram conciliar os pensamentos sobre fé e razão.

2. (Fuvest-SP) Ao longo da Idade Média, a Europa Ocidental conviveu com duas civilizações, às quais muito deve nos mais variados campos. Essas duas civilizações, bastante diferentes da Ocidental, contribuíram significativamente para o desenvolvimento experimentado pelo Ocidente, a partir do século XI, e para o advento da Modernidade no século XV.
a) Quais foram essas civilizações?
b) Indique suas principais características.

3. (Fatec-SP) Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:
a) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas.
b) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos.
c) Vilões e servos estavam presos a várias obrigações, entre elas o pagamento anual de capitação, talha e banalidades.
d) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos.
e) As relações de produção eram escravocratas.

4. (Fuvest-SP) Qual a diferença entre as obrigações de um vassalo e as de um servo na sociedade feudal?

5. (UFPA) Nas relações de suserania e vassalagem dominantes durante o feudalismo europeu, é possível observar que:
a) a servidão representou, sobretudo na França e na península Ibérica, um verdadeiro renascimento da escravidão conforme existia na Roma imperial.
b) os suseranos leigos, formados pela grande nobreza fundiária, distinguiam juridicamente os servos que trabalhavam nos campos dos que produziam nas cidades.
c) mesmo dispondo de grandes propriedades territoriais, os suseranos eclesiásticos não mantinham a servidão nos seus domínios, mas sim o trabalho livre.
d) o sistema de impostos incidia de forma pesada sobre os servos. O imposto da mão morta, por exemplo, era pago pelos herdeiros de um servo que morria para que continuassem nas terras pertencentes ao suserano.
e) as principais instituições sociais que sustentavam as relações entre senhores e servos eram de origem muçulmana, oriundos da longa presença árabe na Europa Ocidental.

6. (UFJF-MG) O islamismo, religião fundada por Maomé e de grande importância na Unidade árabe, tem como fundamento:
a) o monoteísmo, influência do cristianismo e do judaísmo, observado por Maomé entre povos que seguiam essas religiões.
b) o culto dos santos e profetas através de imagens e ídolos.
c) o politeísmo, isto é, a crença em muitos deuses, dos quais o principal é Alá.
d) o princípio da aceitação dos desígnios de Alá em vida e a negação de uma vida pós-morte.
e) a concepção do islamismo vinculado exclusivamente aos árabes, não podendo ser professado pelos povos inferiores.

7. (Fuvest-SP) A estrutura básica da sociedade feudal exprimia uma distribuição de privilégios e obrigações. Caracterize as três "ordens", isto é, camadas sociais que compunham essa sociedade.

8. (Vunesp) O islamismo, ideologia difundida a partir da Alta Idade Média, em que o poder político confunde-se com o poder religioso, era dotado de certa heterogeneidade, o que pode ser constatado na existência de seitas rivais como:
a) politeístas e monoteístas
b) sunitas e xiitas
c) cristãos e muezins
d) sunitas e cristãos
e) xiitas e politeístas

9. (Fuvest) As feiras na Idade Média constituíram-se:
a) instrumentos de comércio local das cidades para o abastecimento cotidiano dos seus habitantes.
b) áreas exclusivas de câmbio das diversas moedas européias.
c) locais de comércio de amplitude continental que dinamizaram a economia da época.
d) locais fixos de comercialização da produção dos feudos.
e) instituições carolíngias para renascimento do comércio abalado com as invasões no Mediterrâneo.

10.(EEM-SP) O surgimento das universidades medievais ocorre simultaneamente com o expansionismo europeu por meio das cruzadas, com o surgimento das cidades e com a expansão comercial. Como se explica essa correlação cronológica?

11. (Fuvest) Do Grande Cisma sofrido pelo cristianismo no século XI, resultou:
a) o estabelecimento dos tribunais da Inquisição pela Igreja católica.
b) a Reforma protestante, que levou à quebra da unidade da Igreja católica na Europa Ocidental.
c) a heresia dos albigenses, condenada pelo papa Inocêncio II.
d) a divisão da Igreja em católica romana e ortodoxa grega.
e) a Querela das Investiduras, que proibia a investidura de clérigos por leigos.

12. (Osec-SP) “(...) Durante o século XII, toda a extensão da Flandres converteu-se em país de tecelões e batedores. O trabalho de lã, que até então se havia praticado somente nos campos, concentra-se nas aglomerações mercantis que se fundam por toda a parte e anima um comércio, cujo progresso é incessante. Formam-se, assim, a incipiente Bruges, Ipres, Lile, Duai e Arras." (Henri Pirenne)
Podemos relacionar o conteúdo desse texto:
a) às mudanças econômicas que exigiram adaptações e mudanças no regime feudal.
b) às ligas de mercadores que impulsionaram o desenvolvimento mercantil no mar do Norte, a exemplo da Liga Hanseática.
c) ao renascimento comercial que atingiu o interior da Europa, a partir do século XI.
d) às feiras de comércio local e internacional que se desenvolveram no interior da Europa.
e) às invasões bárbaras que aceleraram a formação de vilas durante o Baixo Império Romano.

13. (Cescem-SP) As corporações de ofício eram organizadas com o objetivo de:
a) defender os interesses dos artesãos diante dos patrões.
b) proporcionar formação profissional aos jovens fidalgos.
c) aplicar os princípios religiosos às atividades cotidianas.
d) combater os senhores feudais.
e) proteger os ofícios contra a concorrência e controlar a produção.

14. (UFPA) O movimento das cruzadas foi essencial para o quadro das transformações por que a Europa passaria nos processos finais da Idade Média. Definida essa questão, é possível assegurar-se em relação ao movimento cruzadista que:
a) os efeitos imediatos das cruzadas sobre a vida européia foram de natureza política, já que contribuíram para abalar sensivelmente o poder absoluto dos monarcas europeus.
b) em termos jurídicos, as cruzadas contribuíram para modificar o sistema da propriedade no feudalismo, já que difundiram o começo da propriedade dominante no Extremo Oriente.
c) os seus resultados abalaram seriamente o prestígio do papado, provocando, inclusive, a separação entre a Igreja de Roma e a de Constantinopla, fato de implicações negativas para a autoridade clerical.
d) os efeitos sociais das cruzadas fizeram-se sentir principalmente sobre as relações de trabalho, já que os cruzados, ao retornarem do Oriente, defendiam a substituição da servidão pelo trabalho livre.
e) as exigências das expedições contribuíram decididamente para o recuo da dominação árabe no Mediterrâneo, abrindo os espaços para que as suas águas viessem a sustentar, mais tarde, parte das grandes rotas do comércio europeu.

15. (Unicamp-SP) No século XIII, um teólogo assim condenava a prática da usura:
"O usurário que adquirir um lucro sem nenhum trabalho e até dormindo, o que vai contra a palavra de Deus que diz: 'Comerás teu pão com o suor do teu rosto'. Assim o usurário não vende a seu devedor nada que lhe pertença, mas apenas o tempo, que pertence a Deus. Disso não deve tirar nenhum proveito."
(Adaptado de J. Le Goff, A bolsa e a vida. São Paulo: Brasiliense, 1989.)
a) O que é usura?
b) Por que a Igreja medieval condenava a usura? c) Relacione a prática da usura com o desenvolvi-
mento do capitalismo no final da Idade Média.

16. (Vunesp) A partir do século XII, em algumas regiões européias, nas cidades em crescimento, comerciantes, artesãos e bispos aliaram-se para a construção de catedrais com grandes pórticos, vitrais e rosáceas, produzindo uma "poética da luz", abóbadas e torres elevadas que dominavam os demais edifícios urbanos. O estilo da arte da época é denominado
a) renascentista
b) bizantino
c) românico
d) gótico
e) barroco

17. (Vunesp) Sobre as associações de importantes grupos sociais da Idade Média, um historiador escreveu:
"Eram cartéis que tinham por objetivo a eliminação da concorrência no interior da cidade e a manutenção do monopólio de uma minoria de mestres no mercado urbano". (Jacques Le Goff, A civilização do Ocidente medieval.)
O texto caracteriza de maneira típica
a) as universidades medievais
b) a atuação das ordens mendicantes
c) as corporações de ofício
d) o domínio dos senhores feudais
e) as seitas heréticas

18. (Fuvest) Uma característica da Idade Média foi o surgimento de heresias.
a) Que são heresias?
b) Quais as principais reações da Igreja católica
diante delas naquele período?

19. (PUC-SP) Não pode ser considerado como fator gerador do renascimento comercial que ocorre na Europa, a partir do século XI:
a) a crise do modo de produção feudal provocada pela superexploração da mão-de-obra, através das relações servis de produção.
b) a disponibilidade de mão-de-obra provocada, entre outros fatores, pelo crescimento demográfico a partir do século X.
c) a predominância cultural e ideológica da Igreja, com a valorização da vida extraterrena, a condenação à usura e sua posição em relação ao "justo preço" das mercadorias.
d) a aquisição das "cartas de franquias", que fortalecia e libertava a nascente burguesia das obrigações tributárias dos senhores feudais.
e) o movimento cruzadista, que, retratando a estrutura mental e religiosa do homem medieval, se estendeu entre os séculos XI e XIII.

20. (Fuvest) A partir do século XI, na Europa Ocidental os poderes monárquicos foram lentamente se reconstituindo, e em torno deles surgiram os diversos Estados nacionais. Explique as razões desse processo de centralização política.

21. (PUC-SP) "(...) a própria vocação do nobre lhe proibia qualquer atividade econômica direta. Ele pertencia de corpo e alma à sua função própria: a do guerreiro. (...) Um corpo ágil e musculoso não é o bastante para fazer o cavaleiro ideal. É preciso ainda acrescentar a coragem. E é também porque proporciona a esta virtude a ocasião de se manifestar que a guerra põe tanta alegria no coração dos homens, para os quais a audácia e o desprezo da morte são, de algum modo, valores profissionais."
(Bloch, Marc. A sociedade feudal. Lisboa: Edições 70, 1987.)
O autor nos fala da condição social dos nobres medievais e dos valores ligados às suas ações guerreiras, É possível dizer que a atuação guerreira desses cavaleiros representa, respectivamente, para a sociedade e para eles próprios:
a) a garantia de segurança, num contexto em que as classes e os Estados nacionais se encontram em conflito, e a perspectiva de conquistas de terras e riquezas.
b) o cumprimento das obrigações senhoriais ligadas à produção, e à proibição da transmissão hereditária das conquistas realizadas.
c) a permissão real para realização de atividades comerciais, e a eliminação do tédio de um cotidiano de cultura rudimentar e alheio a assuntos administrativos.
d) o respeito às relações de vassalagem travadas entre senhores e servos, e a diversão sob a forma de torneios e jogos em épocas de paz.
e) a participação nas guerras santas e na defesa do catolicismo, e a possibilidade de pilhagem de homens e coisas, de massacres e mutilações de inimigos.

22. (PUC-SP) Dentre os itens abaixo, dois representam características integrantes do ideário cristão que, à época do reconhecimento do cristianismo como religião oficial de Roma (séc. IV), funcionaram como elementos facilitadores da aliança que uniu os interesses da Igreja cristã aos do Estado romano:
1 – o dogma da transcendência divina
2 – as noções de culpa original dos homens e de perdão divino
3 – os dogmas da criação e do juízo final
4 – o missionarismo expansionista
5 – a moral celibatária
6 – as concepções de inferno, purgatório e reino dos céus
7 – a estrutura hierárquica da organização clerical
Os itens corretas são os de número:
a) 5 e 1
b) 3 e 6
c) 4 e 7
d) 6 e 4
e) 3 e 7

23. (Fuvest-SP) "Se volveres a lembrança ao Gênese, entenderás que o homem retira da natureza o seu sustento e a sua felicidade. O usurário, ao contrário, nega a ambas, desprezando a natureza e o modo de vida que ela ensina, pois outros são no mundo seus ideais."
(Dante Alighieri, Divina comédia, Inferno, canto XI, trad. Hernâni Donato.)
Essa passagem do poeta florentino exprime.
a) uma visão já moderna da natureza, que aqui aparece sobreposta aos interesses do homem.
b) um ponto de vista já ultrapassado no seu tempo, posto que a usura era uma prática comum e não mais proibida.
c) uma nostalgia pela Antiguidade greco-romana, onde a prática da usura era severamente coibida.
d) uma concepção dominante na Baixa Idade Média, de condenação à prática da usura por ser contrária ao espírito cristão.
e) uma perspectiva original, uma vez que combina a prática da usura com a felicidade humana.

24. (Fuvest) Os movimentos fundamentalistas, que tudo querem subordinar à lei islâmica (Sharia), são hoje muito ativos em vários países da África, do Oriente Médio e da Ásia. Eles tiveram a sua origem histórica:
a) no desenvolvimento do Islamismo, durante a Antigüidade, na Península Arábica;
b) na expansão da civilização árabe, durante a Idade Média, tanto a Ocidente quanto a Oriente;
c) na derrocada do Socialismo, depois do fim da União Soviética, no início dos anos noventa;
d) no estabelecimento do Império Turco-Otomano, com base em Istambul, durante a Idade Moderna;
e) na ocupação do mundo árabe pelos europeus, entre a segunda metade do século XIX e a primeira do século XX.

25. (Vunesp) “Deus colocou o servo na Terra para trabalhar e obedecer.”
Analise os compromissos, fortemente influenciados pela ação de uma instituição feudal, vinculando-os ao enunciado proposto.

26. (Vunesp) “Na sociedade feudal, o vínculo humano característico foi o elo entre subordinado e chefe mais próximo. De escalão em escalão, os nós assim formados uniam, tal como se se tratasse de cadeias infinitamente ramificadas, os menores e os maiores. A própria terra só parecia ser uma riqueza tão preciosa por permitir obter ‘homens’, remunerando-os." (Marc Bloch. A sociedade feudal.)
O texto descreve a:
a) hierarquia eclesiástica da Igreja Católica;
b) relação de tipo comunitário dos camponeses;
c) relação de suserania e vassalagem;
d) hierarquia nas corporações de ofício;
e) organização política das cidades medievais.

27. (Unicamp-SP) A tomada da cidade de Jerusalém foi narrada assim pelo historiador árabe Ibn al-Athir: “A população da Cidade Santa foi morta pela espada e os franj (*) massacraram os muçulmanos durante uma semana. Na mesquita [...], eles mataram mais de setenta mil pessoas.”
(*) franj: os francos, os soldados cruzados.
Para os árabes, os soldados invasores eram "bestas selvagens”, atrasados, ignorantes das artes e da ciência e fanáticos religiosos que não hesitavam em queimar mesquitas e dizimar populações inteiras. (Baseado em Amin Maalouf. As Cruzadas vistas pelos árabes.)
a) Descreva a visão que os árabes tinham dos europeus e a visão que os europeus tinham dos árabes no período das Cruzadas. Compare-as.
b) Quais foram as conseqüências das Cruzadas para a Europa?

28. (Fuvest) “Após ter conseguido tirar da nobreza o poder político que ela detinha enquanto ordem, os soberanos a atraíram para a corte e lhe atribuíram funções políticas e diplomáticas."
Essa frase, extraída da obra de Max Weber, Política como vocação, refere-se ao processo que, no Ocidente:
a) destruiu a dominação social da nobreza, na passagem da Idade Moderna para a Contemporânea;
b) estabeleceu a dominação social da nobreza, na passagem da Antiguidade para a Idade Média;
c) fez da nobreza uma ordem privilegiada, na passagem da Alta Idade Média para a Baixa Idade Média;
d) conservou os privilégios políticos da nobreza, na passagem do Antigo Regime para a Restauração;
e) permitiu ao Estado dominar politicamente a nobreza, na passagem da Idade Média para a Moderna.



GABARITO

1. (Enem/1999) Alternativa E
2. (Fuvest-SP) a) A civilização árabe (islâmica) e a bizantina (antigo Império Romano do Oriente)
b) Árabes: Estado e hierarquia social estruturados em bases religiosas, economia de excedentes dinamizada pelo comércio, urbanização, incorporação de elementos culturais do Oriente e do Ocidente, avanços significativos em diversos campos das ciências (da medicina à matemática, passando pela filosofia).
Bizantinos: Estado despótico, desenvolvimento da Igreja cristão do Oriente (ortodoxa, que se separou da Igreja católica romana), comércio sofisticado, centrado em Constantinopla, conservação do legado cultural romano, notadamente no campo do direito.
3. (Fatec-SP) Alternativa C
4. (Fuvest-SP) As obrigações de um vassalo compunham-se de compromissos de reciprocidade estabelecidos nas relações horizontais, ou seja, entre senhores. As obrigações servis, entretanto, definiam a condição de submissão dos camponeses (servos) e a sua exploração pelos membros da nobreza e do clero.
5. (UFPA) Alternativa D
6. (UFJF-MG) Alternativa A
7. (Fuvest-SP) Camada sociais da sociedade feudal: clero: o maior proprietário de terras e controlador da ideologia medieval; nobreza: os senhores proprietários que, junto com o clero, controlavam todo o poder feudal; servos: os trabalhadores dominados, submetidos a uma pesada tributação.
8. (Vunesp) Alternativa B
9. (Fuvest) Alternativa C
10. (EEM-SP) A expansão comercial e urbana ativou a efervescência cultural, que arruinaria a cultura monástica predominante, exigindo novos valores e conhecimentos, propiciados pelas novas instituições culturais, as universidade.
11. (Fuvest) Alternativa D
12. (Osec-SP) Alternativa A
13. (Cescem-SP) Alternativa E
14. (UFPA) Alternativa E
15. (Unicamp-SP) a) Usura é um contrato de empréstimo em que o devedor é obrigado a pagar juros.
b) A Igreja condenava o usurário por considerar que ele não produz riqueza ao lucrar com aquilo que não lhe pertence. A prática da usura estaria, portanto, contrariando o princípio bíblico de que “ganharás o pão com o suor do seu rosto”.
c) O renacimento comercial e urbano desencadeou o processo de formação do capitalismo. A dinamização das atividades econômicas foi acompanhada da expansão das atividades de crédito, inclousive a prática
dos empréstimos a juros. A mentalidade ainda fortemente religiosa, ao condenar a usura, acabava criando obstáculos para o pleno desenvolvimento do capitlaismo.
16. (Vunesp) Alternativa D
17. (Vunesp) Alternativa C
18. (Fuvest) a) Heresias são movimentos religiosos que discordam dos dogmas oficiais da Igreja católica.
b) A Igreja as condenou e reprimiu violentamente por intermédio dos tribunais da Inquisição.
19. (PUC-SP) Alternativa C
20. (Fuvest) O motos destas mudanças políticas foi o renascimento comercial, estimulado pela nova classe sociail, a burguesia. O renascimento provocou a decadência do feudalismo e dos poderes locais e universais.
21. (PUC-SP) Alternativa E
22. (PUC-SP) Alternativa E
23. (Fuvest-SP) Alternativa D
24. (Fuvest) Alternativa B
25. (Vunesp) A idéia, apregoada pela Igreja católica, de uma sociedade dividida em três categorias: os que oram, os que lutam e os que trabalham. Aos servos Deus teria deixado a tarefa de trabalhar para sustentar a todos e não questionar as regras vigentes naquela sociedade.
26. (Vunesp) Alternativa C
27. (Unicamp-SP) a) Basicamente, as duas civilizações tinham a mesma visão uma da outra: eram bárbaros, criminosos, infiéis, fanáticos que professavam uma religião herética.
b) O renascimento comercial, o enriquecimento de cruzados, a retomada das relações Ocidente-Oriente e, no limite, contribiu para o fim da Idade Média.
b) Quais foram as conseqüências das Cruzadas para a Europa?
28. (Fuvest) Alternativa E

CRISE DO SISTEMA FEUDAL – 23 QUESTÕES

1 - (UFPE) A crise do sistema feudal acelerou-se no século XIV. Esta crise manifestou-se de várias maneiras. Assinale a alternativa incorreta.
a) Devido à forma de exploração utilizada durante toda a Idade Media houve esgotamento do solo e conseqüentemente a produção agrícola diminuiu.
b) A queda da produção agrícola teve como conseqüência imediata a subida dos preços.
c) Com a falta de produtos os mercados tendiam a fechar nas cidades e a fome atingiu também a população do campo.
d) Neste período a peste negra assolava em toda a Europa causando a morte da população.
e) Com a diminuição da taxa de crescimento populacional os preços tenderam a baixar e os senhores feudais e nobres mantiveram seu padrão econômico.

2 – (CEFET - MG) A peste negra, que dizimou grande parte da população européia no século XIV, provocando escassez de mão-de-obra e alimentos, e sendo uma das causas da decadência do feudalismo, pode ser descrita como:
a) a peste bubônica, transmitida por ratos infectados.
b) uma seca violenta que devastou as lavouras.
c) Nuvens de gafanhotos provenientes do norte da África.
d) a cólera, trazida pelos cruzados quando retornavam da terra santa.
e) fungos que surgiram pelo excesso de umidade, atacando as plantações de cereais.

3. (Fatec-SP) Dentre as causas da desagregação da ordem econômica feudal, é possível mencionar:
a) a capitalização intensa realizada pelos artesãos medievais e a criação de grandes unidades industriais, que acabaram subvertendo a economia feudal.
b) o desinteresse da nobreza e do clero pela manutenção do Feudalismo, pois esses setores se beneficiariam com o advento da sociedade baseada no lucro.
c) o surgimento das corporações de oficio e a substituição do “justo preço”, que restringia as possibilidades de lucro, pelo preço de mercado.
d) o revivescimento do comércio e a conseqüente circulação monetária, que abalaram a auto-suficiência da economia senhorial.
e) a substituição gradativa do trabalho escravo pelo trabalho assalariado dentro do feudo, o que criou condições para a constituição de um sistema de mercado dentro da própria unidade feudal.

4. (UFMG) Todas as alternativas apresentam fatos que podem ser associados à decadência do feudalismo, EXCETO:
a) a ocorrência da fome e da Peste Negra que dizimaram a Europa na primeira metade do século XIV.
b) o aumento do número de cidades tanto de origem rural como surgidas de acampamentos de mercadores.
c) o desenvolvimento da cavalaria, quase empenhou nas Cruzadas e difundiu pelo mundo os valores cristãos.
d) o desenvolvimento das atividades comerciais nos mares Mediterrâneo, Negro, do Norte e Báltico.
e) uma série de insurreições e perturbações sociais que ocorreram na Europa Ocidental e atingiram a cidade e o campo.

5. (PUC-MG) Durante a Baixa Idade Média (séc. XI - XV), o modo de produção feudal conheceu o seu apogeu, mas também foi nesse período que as contradições inerentes a esse sistema avolumaram-se, determinando a sua superação. São fatores responsáveis pela desarticulação das estruturas feudais, EXCETO:
a) brusca queda da produtividade na agricultura, devido resistência dos senhores feudais a técnicas agrícolas avançadas.
b)desenvolvimento da atividade mercantil tanto a nível inter-regional quanto a longa distância.
c)crescente urbanização, conduzindo a uma gradual especialização da economia, caracterizada pela cisão entre campo e cidade.
d)surgimento da burguesia como um novo segmento social que foi se definindo no rígido contexto da hierarquizada sociedade feudal.
e)organização de expedições militares cristãs contra muçulmanos no Oriente Médio, pondo fim ao domínio secular dos árabes sobre o Mediterrâneo.

6. (PUC-MG) Nos séculos XIV-XV, a sociedade feudal experimentou uma grave crise geral, que abalou profundamente as estruturas que sustentavam essa sociedade, abrindo espaços para a criação de relações capitalistas no interior das sociedades européias.
Os efeitos da depressão dos séculos XIV-XV sobre a sociedade européia foram os seguintes, EXCETO:

a) a expansão marítima dos séculos XV e XVI, rompendo os estreitos limites do comércio medieval.
b) a centralização do poder nas mãos do rei, em contrapartida ao poder pulverizado dos senhores feudais.
c) o surgimento de uma nova cultura mais urbana e laica, em oposição à rural-religiosa do feudalismo.
d) a busca de urna nova espiritualidade, possibilitando a ruptura da unidade cristã através da Reforma.
e) a ocupação do poder político pela burguesia, sustentada no crescente enriquecimento dessa classe.

7. (MACKENZIE-SP) A desintegração do Modo de Produção Feudal na Baixa Idade Média foi, em grande parte, conseqüência:

a) do crescimento do prestígio da Igreja, que era o sustentáculo ideológico do sistema.
b) do sucesso militar do movimento das Cruzadas, e da bem sucedida expansão da sociedade feudal pelo Oriente.
c) das transformações das relações servis de produção em assalariadas, do comércio e da economia monetária, que aceleraram as contradições internas do sistema.
d) do crescimento da população européia no século XIV e da grande oferta de mão-de-obra barata que este fato gerou economicamente.
e) da consolidação do localismo político, fruto direto da Guerra dos Cem anos que favoreceu a nobreza feudal.

08 -No século XIV. “o peso das infelicidades”, numa crise de grandes proporções. atinge a Europa Ocidental, abalando profundamente os pilares do feudalismo. São efeitos dessa crise, EXCETO:

a) ampliação do poder temporal do Papado num mundo caótico e vazio de autoridades leigas.
b) redução da produção agrícola devido à dizimação da população rural atingida pela peste negra,
c) enfraquecimento do poder aristocrático como decorrência da queda dos rendimentos senhoriais.
d) expansão do comercio a longa distância, para suprir as carências da sociedade européia.
e) revoltas populares nos campos e cidades como e conseqüência do aprofundamento da exploração.

09 — São condições gerais da Europa Ocidental no decorrer da crise do feudalismo. EXCETO:

a) A, transformação de relações servis em contratuais em algumas áreas coexistindo com o recrudescimento da servidão em outras.
b) A melhoria dos padrões técnicos. Principalmente no cultivo da terra, e a procura de novas regiões para as atividades agrícolas.
e) A crise de retração no desenvolvimento das forças produtivas durante o século XIV. ligadas a diminuição da população.
d) As revoltas camponesas, forma de protesto dos servos contra a pressão, sobre eles exercida pela nobreza,. em função do declínio das rendas senhoriais.
e) A decadência das atividades comerciais e da vida urbana. devido à escassez monetária e à condenação da usura feita pela Igreja.

10 - “A destruição do feudalismo depende. em última analise,. da própria situação interna do sistema” - Karl Marx
Com relação às razões que levaram o modo de produção feudal ao desaparecimento. essa frase de Marx possibilita a seguinte interpretação:

a) A expansão marítima e o mercantilismo foram os fatores fundamentais da crise feudal.
h) O feudalismo foi golpeado de forma decisiva com a criação dos Estados Nacionais, dando inicio à modernidade.
e) O Renascimento cultural pode ser caracterizado como sendo o elemento chave para explicar a crise feudal do século XIV.
d) A superexploração do trabalho servil foi o motor da crise do feudalismo. abrindo caminho para a sua lenta derrocada.
e) A Reforma religiosa, especialmente a anglicana, destruiu o feudalismo, ao atacar os fundamentos hierárquicos da Igreja Católica.

11 (UNIBH – 1999) - “O Feudalismo europeu ocidental entrou num período de crise aguda no século XIV e daí por diante se desintegrou, com maior ou menor rapidez, em diferentes regiões”. (SWEEZY, Paul et al. A transição do feudalismo para o capitalismo – um debate.)

As razões fundamentais dessa crise foram, EXCETO,

a) a superexploração do trabalho dos servos pelos nobres, que exigiam deles um maior tempo de trabalho.
b) as revoltas camponesas e urbanas atribuídas à miséria que passou a caracterizar a vida de camponeses e trabalhadores.
c) o esgotamento das forças produtivas acentuado pela crise demográfica derivada da Peste Negra.
d) a descoberta de novas minas de ouro e prata em territórios alemães, gerando a disputa entre várias nações pelo seu domínio.


12 (UNIBH – 1999) - Leia o texto abaixo, com atenção. Suas afirmações podem ser falsas ou verdadeiras.

“A formação dos Estados Nacionais, embora ocorrendo de forma diversificada nas diversas regiões da Europa, não implicou a superação do modo de produção feudal. No entanto, [eles] constituíram mais um elemento da nova ordem que se construía na Europa Ocidental, nos séculos XV-XVI”.

O texto acima pode ser considerado

a) totalmente correto.
b) totalmente falso.
c) parcialmente correto, já que a formação dos Estados Nacionais implicou a superação do feudalismo.
d) parcialmente correto, já que não havia uma “nova ordem” sendo constituída na Europa no período citado.

13 – (FUVEST – 1999) - 22 - A peste, a fome e a guerra constituíram os elementos mais visíveis e terríveis do que se conhece como a crise do século XIV. Como conseqüência dessa crise, ocorrida na Baixa Idade Média,

a) o movimento de reforma do cristianismo foi interrompido por mais de um século, antes de reaparecer com Lutero e iniciar a modernidade;
b) o campesinato, que estava em vias de conquistar a liberdade, voltou novamente a cair, por mais de um século, na servidão feudal;
c) o processo de centralização e concentração do poder político intensificou-se até se tornar absoluto, no início da modernidade;
d) o feudalismo entrou em colapso no campo, mas manteve sua dominação sobre a economia urbana até o fim do Antigo Regime;
e) entre as classes sociais, a nobreza foi a menos prejudicada pela crise, ao contrário do que ocorreu com a burguesia.

14.(PUC – MG – 1997) Entre os séculos XII e XIV, ocorreram intensas mudanças na vida da população da Europa Ocidental, quebrando a “pureza” do feudalismo. Dentre elas, destacam-se, EXCETO:

a) enriquecimento da classe mercantil, que supera o poder político da aristocracia feudal.
b) intensificação das relações monetárias, rompendo a base natural da economia feudal.
c) crescimento da atividade comercial, devido ao aumento do volume dos excedentes.
d) aumento da produção agrícola, provocando a queda da taxa de mortalidade.
e) formação das corporações de ofício, defendendo o trabalho artesanal nas novas cidades.

17 – (PUC – MG – 1998) No período da transição do feudalismo ao capitalismo, a burguesia européia no geral:

a) favorece o declínio das velhas relações feudais.
b) assume uma posição nitidamente revolucionária.
c) coloca-se frontalmente contra a Igreja Católica.
d) alia-se ao campesinato contra o poder da realeza.
e) “abre fogo” contra os monopólios coloniais.

18 – (PUC – RS – 1998) Dentre as causas da crise do sistema feudal, podem-se apontar as seguintes:

a) a reabertura do mar Mediterrâneo, o desenvolvimento de uma economia comercial e o fortalecimento do poder real.
b) o desenvolvimento de uma economia comercial, o enfraquecimento do poder da Igreja e o fortalecimento do regime servil de trabalho.
c) a aliança da burguesia com os senhores feudais, o combate aos privilégios da nobreza e a cisão entre a Igreja e o Estado.
d) o fortalecimento do poder real, o combate aos privilégios da nobreza e o fim da sociedade estamental.
e) a reabertura do mar Mediterrâneo, a retração do comércio e as lutas entre católicos e evangélicos.

19 – (UFLA – 2000) “Há um consenso entre os historiadores que a partir de meados da Baixa Idade Média, teria se iniciado o processo de crise do sistema feudal, então predominante na Europa Ocidental."

São características da crise feudal, EXCETO

a) constantes invasões de povos bárbaros na Europa, que teriam aumentado a partir do século V;
b) expansão predatória da exploração de terras, que teria contribuído para o desgaste de sua fertilidade;
c) intenso desmatamento, que teria gerado a alternância de períodos chuvosos e secos e alterações climáticas e ecológicas;
d) diminuição da produção agrícola associada ao encarecimento dos produtos e ao esgotamento das minas de ouro e prata da Europa;
e) aumento do número de nobres e de suas necessidades de consumo, que teria aumentado consideravelmente o grau de exploração sobre a massa camponesa.

20 – (UFPEL – 1999)
“Diante da crise agrária fazia-se necessária a conquista de novas áreas produtoras. Diante da crise demográfica fazia-se necessário o domínio sobre as populações não-européias. Diante da crise monetária fazia-se necessária a descoberta de novas fontes de minérios. Diante da crise social fazia-se necessário um monarca forte, controlador das tensões e das lutas sociais. Diante da crise político-militar fazia-se necessária uma força centralizadora e defensora de toda a nação. Diante da crise clerical fazia-se necessária uma nova Igreja. Diante da crise espiritual fazia-se necessária uma nova visão de Deus e do homem. Começavam os novos tempos.”

Fonte: FRANCO JR., Hilário. O Feudalismo, São Paulo: Brasiliense. p. 93

As crises que são referidas no texto caracterizaram:
a) a transição do feudalismo para o capitalismo comercial, na Europa, no início da Idade Moderna.
b) a formação do feudalismo, na Europa Ocidental, no início da Idade Média.
c) a substituição do escravismo clássico pela servidão, na área geográfica correspondente ao antigo Império Romano.
d) o pleno domínio econômico, político e social da burguesia européia durante a Revolução Industrial.
e) a manutenção da hegemonia da Igreja Católica e a revitalização do poder político dos senhores feudais na Europa renascentista.

21 – (UNIFOR – 1999) "Deixai os que outrora estavam acostumados a se bater contra os fiéis em guerras particulares, lutar contra os infiéis (...). Deixai os que até aqui foram ladrões tornarem-se soldados. Deixai aqueles que outrora se bateram contra seus irmãos e parentes lutarem agora contra os bárbaros, como devem. Deixai os que outrora foram mercenários, a baixos salários, receber agora a recompensa eterna. (...) uma vez que a terra que habitais, fechada de todos os lados pelo mar e circundada por picos de montanhas, é demasiado pequena para a vossa grande população: a sua riqueza também não abunda, mal fornece o alimento necessário aos seus cultivadores (...). Tomai o caminho do Santo Sepulcro; arrebatai-o àquela raça perversa e submetei-o a vós mesmos."

O texto é um trecho do Sermão do Papa Urbano II, convocando os cristãos a organizarem a Cruzada. De acordo com as palavras do papa pode-se deduzir que as Cruzadas, além da libertação do Santo Sepulcro, visavam

a)conter o crescimento populacional na Europa e a invasão muçulmana, na Península Ibérica.
b) anular o interesse da Igreja na união da cristandade e o crescimento da produção agrícola.
c) aliviar as tensões internas da cristandade e expandir o seu território.
d) incentivar os cristãos a lutarem contra os infiéis e a estimular o interesse do clero pelo comércio oriental.
e) glorificar o esforço da Igreja em combater as guerras entre os nobres e a conseqüente diminuição da população.

22. (Cesgranrio 97) Entre os séculos XV e XVIII, a transição do feudalismo para o capitalismo, no mundo ocidental, engloba um conjunto de transformações econômicas e sociais, entre as quais identificamos corretamente a(o):
a) fragmentação da propriedade fundiária senhorial e monárquica.
b) substituição da produção das manufaturas pelo sistema de corporações de ofícios.
c) supremacia das rotas terrestres e mediterrâneas no comércio com o oriente.
d) fortalecimento dos laços de servidão e vassalagem.
e) desenvolvimento da vida urbana através das atividades comerciais.

23. (Ufrs 97) Entre os fatores que explicam o renascimento do comércio, a partir do século XI na Europa ocidental, podemos apontar:

I - A invasão da Europa por diversos povos bárbaros que estimularam as trocas comerciais.
II - Uma renovação das práticas agrícolas com a difusão de instrumentos de trabalho como o arado de ferro, a foice e a enxada.
III - O movimento das cruzadas que, ao reabrir o Mediterrâneo, intensificou os contatos com o Oriente.

Quais estão corretos?
a) Apenas I
b) Apenas I e II
c) Apenas I e III
d) Apenas II e III
e) I, II e III

24. (Ufes 96) O período histórico comumente designado como Transição do Feudalismo para o Capitalismo caracterizou-se por
a) mão-de-obra escrava, grandes extensões de terras dedicadas à monocultura e produção estabelecida pela demanda do mercado interno.

b) escravismo antigo, terra de propriedade estatal com usufruto da elite agrária e comércio externo determinado pelo Estado.
c) proletariado urbano, concretização dos "trustes" e produção industrial estabelecida por uma demanda artificial.
d) acumulação primitiva do capital, liberação da mão-de-obra do campo para a cidade e crescente progresso da técnica aplicada à produção.
e) produção de subsistência, propriedade comunal dos campos e comércio estabelecido por rotas domésticas.

25. (Mackenzie 97) "Entre os movimentos mais conhecidos da Idade Média estão as Cruzadas, que foram originalmente expedições organizadas pela Igreja, contando com o apoio dos dirigentes políticos das principais monarquias feudais"
(Marco Antônio de Oliveira Pais)

As Cruzadas no Ocidente tinham por objetivo:
a) reconquistar os territórios sagrados do cristianismo na Palestina e reunificar o mundo cristão abalado com o Cisma do Ocidente.
b) libertar do domínio muçulmano o Sacro Império Romano Germânico do Ocidente através da união dos reis, Ricardo Coração de Leão, Felipe Augusto e Frederico Barba Ruiva.
c) expulsar os muçulmanos da Península Ibérica, promover a expansão cristã nas terras eslavas e combater os hereges albigenses na França.
d) libertar as cidades de Gênova e Veneza do domínio islâmico e expulsar os mouros da região de Flandres, reabrindo as rotas comerciais.
e) conquistar Jerusalém, organizar na região o sistema feudal e criar ordens monásticas como a dos Templários e dos Hospitalários.




GABARITO
1-E / 2-A / 3-D / 4-C / 5-A / 6-E / 7-C / 8-A / 9-E / 10-D / 11 - D / 12 - A / 13 - C / 14 - A / / 17 - A / 18 - A / 19 - A / 20 - A / 21 - C / 22 - E /23 - D / 24 - D / 25 - C


IDADE MODERNA – 43 QUESTÕES
(Renascimento, Reforma Religiosa, Absolutismo, Mercantilismo, Iluminismo, Expansão Marítima, Crise do Sistema Colonial: Independência dos EUA)
1. (Enem/1999) "(...) Depois de longas investigações, convenci-me por fim de que o Sol é uma estrela fixa rodeada de planetas que giram em volta dela e de que ela é o centro e a chama. Que, além dos planetas principais, há outros de segunda ordem que circulam primeiro como satélites em redor dos planetas principais e com estes em redor do Sol. (...) Não duvido de que os matemáticos sejam da minha opinião, se quiserem dar-se ao trabalho de tomar conhecimento, não superficialmente mas duma maneira aprofundada, das demonstrações que darei nesta obra. Se alguns homens ligeiros e ignorantes quiserem cometer contra mim o abuso de invocar alguns passos da Escritura (sagrada), a que torçam o sentido, desprezarei os seus ataques: as verdades matemáticas não devem ser julgadas senão por matemáticos."
(COPÉRNICO, N. De Revolutionibus orbium caelestium.)
"Aqueles que se entregam à prática sem ciência são como o navegador que embarca em um navio sem leme nem bússola. Sempre a prática deve fundamentar-se em boa teoria. Antes de fazer de um caso uma regra geral, experimente-o duas ou três vezes e verifique se as experiências produzem os mesmos efeitos. Nenhuma investigação humana pode-se considerar verdadeira ciência se não passa por demonstrações matemáticas."
(VINCI, Leonardo da. Carnets.)
O aspecto a ser ressaltado em ambos os textos para exemplificar o racionalismo moderno é
a) a fé como guia das descobertas
b) o senso crítico para se chegar a Deus
c) a limitação da ciência pelos princípios bíblicos
d) a importância da experiência e da observação
e) o princípio da autoridade e da tradição
2. (Fuvest-SP) Durante a Idade Moderna, pensava-se que todas as riquezas do mundo estavam numa posição estática e constante, razão pela qual o comércio era tido como uma atividade em que havia um ganhador e um perdedor, sendo o seu resultado equivalente a uma soma zero (+ 1 – 1 = O). Baseando-se nestes princípios, os Estados modernos atuaram no comércio internacional sob a orientação de uma política econômica.
a) Que nome foi dado a essa política econômica?
b) Quais foram seus principais elementos constitutivos?

3. (Fuvest-SP) "Para o conjunto da economia européia, no século XVI, caracterizada pela produção em crescimento e pelo grande aumento das transações mercantis, ao lado de um novo crescimento de sua população, o efeito mais importante dos grandes descobrimentos foi a alta geral dos preços..."
O efeito a que o texto se refere foi provocado:
a) pelo grande afluxo de metais preciosos
b) pela ampliação das áreas de produção agrícola
c) pela redução do consumo de produtos manufaturados
d) pela descoberta de novas rotas comerciais no Oriente
e) pelo deslocamento do eixo comercial para o Mediterrâneo

4. (UFPI) Na transição do feudalismo para o capitalismo, tivemos:
a) a transformação de uma sociedade estamental, com fraca mobilidade vertical e posições sociais pela origem de nascimento, para uma sociedade de classes com grande mobilidade vertical e posições sociais determinadas pelo poder econômico.
b) a transformação de uma sociedade de classes, com grande mobilidade vertical, para uma sociedade estamental com fraca mobilidade vertical e posições sociais determinadas pelo poder econômico.
c) a passagem de uma sociedade de classes para uma sociedade de castas.
d) a desorganização de uma sociedade patriarcal, com grande mobilidade vertical, para uma sociedade estamental com fraca mobilidade social.
e) a mudança de uma sociedade de castas para uma sociedade estamental.

5. (EEM-SP) A política econômica do mercantilismo caracterizou-se por três elementos básicos, a saber: balança de comércio favorável, protecionismo e monopólio. Explique de que modo o protecionismo e o monopólio concorriam para manter a balança de comércio favorável.

6. (Cesgranrio-RJ) As práticas mercantilistas nas sociedades da Europa Ocidental assumiram características diferenciadas ao longo dos séculos XVI, XVII e XVIII. Assinale a única opção que não associa corretamente as características mais importantes do mercantilismo ao século e à sociedade em que cada uma delas veio a predominar.
Características do mercantilismo Século
XVI Século
XVII Século XVIII
a) O entesouramento dos metais preciosos (bulionismo). Espanha
b) O estímulo às exportações e o controle das importações (aplicação do princípio da balança comercial). Inglaterra
c) A política protecionista e manufatureira, aliada ao estímulo à construção naval e à aplicação de uma legislação tarifária (colbertismo). França
d) O monopólio comercial, concretizado na prática do exclusivo colonial. Portugal
e) O controle das cartas de corso e da pirataria no Atlântico Sul, estimulando a indústria naval e consagrando a expressão carreteiros do mar. Holanda

7. (UFV-MG) Considerando as peculiaridades da colonização européia no Novo Mundo, numere a segunda coluna de acordo com a primeira e assinale a alternativa que constitui a seqüência numérica correta.
1 – Espanha
2 – França
3 – Holanda
4 – Inglaterra
5 – Portugal
( ) Não respeitava o tratado de Tordesilhas. Foi o primeiro país a fazer uma tentativa séria de
colonização no Canadá.
( ) Possuía o principal banco da Europa. Criou a Companhia das índias Ocidentais.
( ) Seus filhos nascidos na América tinham situação social inferior à dos nascidos no país de origem.
( ) Buscava metais preciosos e não explorava a agricultura.
( ) Inicialmente, mandou algumas expedições exploratórias para conhecer as possibilidades da terra. Somente com o declínio do comercio de especiarias passou a cultivar suas terras na América.
( ) Sua colonização teve caráter ocupacional. Buscava terras, liberdade religiosa e política, além do enaltecimento nacional.
a) 1,5,3,4 e 2
b) 3,1,4,2 e 5
c) 5,4,2,3 e 1
d) 4,2, 5,1 e 3
e) 2,3,1,5 e 4

8. (Unicamp-SP) Contestando o tratado de Tordesilhas, o rei da França, Francisco I, declarou em 1540: "Gostaria de ver o testamento de Adão para saber de que forma este dividira o mundo".
(Citado por VICENTINO, Cláudio. História geral. São Paulo: Scipione, 1991.)
a) O que foi o tratado de Tordesilhas?
b) Por que alguns países da Europa, como a França, contestavam aquele tratado?

9. "Foi de vital importância o fato de que, a partir do século XII, nobres e burgueses passaram a morar na parte cercada pelas muralhas das cidades. Os interesses e prazeres das duas classes tornaram-se assim semelhantes..." (Jacob Burckhardt, 1860).
Sobre esse fenômeno, pode-se afirmar que
a) ocorreu em todos os lugares da Europa onde se desenvolveram cidades, pondo fim à dominação social da nobreza.
b) ocorreu em todas as cidades marítimas, de Lisboa a Hamburgo, passando pela Itália do Norte e Flandres.
c) foi interrompido pela nobreza, a partir da crise do século XIV, depois de ter se desenvolvido na Baixa Idade Média.
d) marcou as mais importantes cidades italianas, constituindo-se num dos fatores sociais do Renascimento.
e) marcou as mais importantes cidades européias, constituindo-se num dos fatores da criação das universidades medievais.

10. (Fuvest-SP)
"Os próprios céus, os planetas e este centro [a Terra]
Respeitam os graus, a precedência e as posições.
Como poderiam as sociedades,
Os graus nas escolas, as irmandades nas cidades,
O comércio pacífico entre praias separadas,
A primogenitura e o direito de nascença,
Os privilégios da idade, as coroas, cetros, lauréis,
Manter-se em seu lugar certo – não fossem os graus?"

Esses versos de Shakespeare (da peça Troilo e Gressida) revelam urna visão de mundo
a) moderna e liberal, ao tratarem das cidades, do comércio e, virtualmente, até do novo continente.
b) medieval e aristocrática, ao defenderem privilégios, graus e hierarquias como decorrentes de uma ordem natural.
c) universal e democrática, ao se referirem a valores e concepções que ultrapassam seu próprio tempo histórico.
d) clássica e monarquista, ao mencionarem instituições, como a monarquia e o direito de primogenitura, que eram características do mundo greco-romano.
e) particularista e elitista, ao expressarem hierarquias, valores e graus exclusivos da Inglaterra do século XVI.

11. (Fuvest-SP) Frei Antônio de Montesinos, em 1512, no Caribe, pregava aos conquistadores espanhóis:
"Com que direito haveis desencadeado uma guerra atroz contra essas gentes que viviam pacificamente em sua própria terra? Por que os deixais em semelhante estado de extenuação? Por que os matais a exigir que vos tragam diariamente seu ouro? Acaso não são eles homens? Acaso não possuem razão e alma? Não é vossa obrigação amá-los como a vós próprios?"
Explique essas palavras de Montesinos dentro do contexto da conquista espanhola da América.

12. (Unicamp-SP) No ano de 73 a.C., um grande número de escravos e camponeses pobres se rebelaram contra as autoridades romanas no Sul da Itália. Os escravos buscavam retornar às suas pátrias. Depois de resistirem aos exércitos romanos durante dois anos, a maioria foi massacrada.
(Traduzido e adaptado de P. Brunt, Social conflicts in the Roman Republic.)
a) Compare a escravidão na Roma Antiga e na América colonial, identificando suas diferenças.
b) Quais foram as formas de resistência escrava nesses dois períodos?

13. (Fuvest-SP) Em 1571 a Igreja católica criou a Congregação do Índex.
a) Que era Índex?
b) Quais as implicações históricas de sua instituição?

14. (FCC-SP) O Ato de Supremacia, promulgado por Henrique VIII, na Inglaterra, contribuiu para:
a) divulgar intensamente a doutrina calvinista no país, sobretudo na região da Escócia.
b) iniciar a expansão externa, formando, assim, as bases do império colonial inglês.
c) promover a reforma anglicana, ao mesmo tempo que contribuiu para a centralização do governo.
d) implantar o catolicismo no reino, o que foi acompanhado de repressão aos reformistas.
e) restaurar os antigos direitos feudais, que foram limitados pela Magna Carta de 1215.

15. (Fuvest-SP) "O puritanismo era uma teoria quase tanto quanto uma doutrina religiosa. Por isso, mal tinham desembarcado naquela costa inóspita [...J o primeiro cuidado dos imigrantes (puritanos) foi o de se organizar em sociedade."
Essa passagem de A democracia na América, de A. de Tocqueville, diz respeito à tentativa:
a) malograda dos puritanos franceses de fundarem no Brasil uma nova sociedade, a chamada França Antártida.
b) malograda dos puritanos franceses de fundarem uma nova sociedade no Canadá.
c) bem-sucedida dos puritanos ingleses de fundarem uma nova sociedade no Sul dos Estados Unidos.
d) bem-sucedida dos puritanos ingleses de fundarem uma nova sociedade no Norte dos Estados Unidos, na chamada Nova Inglaterra.
e) bem-sucedida dos puritanos ingleses, responsáveis pela criação de todas as colônias inglesas na América.

16. (Fatec-SP) A Revolução Inglesa de 1688 – a Revolução Gloriosa – assinala um momento significativo na adoção dos princípios do liberalismo. Entre as medidas adotadas então, e que confirmam essa afirmação, destacam-se:
a) a exclusão da nobreza do Parlamento, garantindo-se assim a maioria da burguesia, e a abolição das sociedades por ações na organização das empresas industriais.
b) o reconhecimento da Declaração de Direitos, limitando o poder do rei em face do Parlamento, e a promulgação do Ato de Tolerância, pondo fim à perseguição religiosa contra os dissidentes protestantes.
c) a revogação dos Atos de Navegação, que protegiam determinados grupos mercantis, e o reconhecimento do direito de organização para os trabalhadores urbanos.
d) a abolição dos tributos feudais da posse da terra e dos censos eleitorais para o preenchimento das cadeiras do Parlamento.
e) a eliminação dos Tories, partidários de um poder real forte, e a devolução aos camponeses das terras usurpadas durante os cercamentos.

17. (Cesgranrio-RJ) O regime monárquico absolutista, forma política predominante entre os Estados modernos europeus nos séculos XVI a XVIII, caracterizava-se, do ponto de vista político e social, pelos seguintes aspectos:
1 – concentração de todos os poderes nas mãos do príncipe enquanto soberano absoluto;
2 – neutralidade do príncipe diante dos conflitos sociais, especialmente quanto aos interesses antagônicos de camponeses, burgueses e aristocratas;
3 – caráter divino da autoridade real, situada acima das leis e dos indivíduos, considerados apenas súditos;
4- inexistência de quaisquer limites, mesmo na prática, ao exercício da autoridade despótica do monarca.
Assinale:
a) se somente os itens 1 e 3 estão corretas.
b) se somente os itens 2 e 4 estão corretas.
c) se somente os itens 3 e 4 estão corretas.
d) se somente os itens 1 e 2 estão corretos.
e) se somente os itens 2 e 3 estão corretas.

18. (PUC-SP) Sobre as civilizações indígenas americanas no momento da conquista européia, podemos afirmar:
a) Somente os maias e tupis foram escravizados e tiveram sua cultura destruída no processo de conquista e colonização da América.
b) Cheienes, cheroquis, iroqueses e dakotas ocupavam várias regiões na América do Norte, foram exterminados pela colonização francesa, e sua marcha expansionista de norte a sul e de leste a oeste teve como resultado a dominação das terras do atual Estados Unidos.
c) Tupis, jês, nuaruaques e caraíbas ocupavam praticamente toda a região do atual território brasileiro, foram caçados para serem transformados em escravos pelos senhores espanhóis e holandeses, cujo objetivo seria vendê-los como produtores de especiarias para o Oriente.
d) Maias, astecas e incas, que viviam na América Central, vale do México e região andina, foram dominados pelos espanhóis no século XVI e perderam autonomia e controle sobre sua sofisticada organização sociocultural e política, permanecendo submetidos através do sistema de encomiendas, mitas ou quatequil que os reduzia a escravidão permanente ou temporária.
e) Os indígenas brasileiros tupis e jês foram exterminados no processo da conquista portuguesa, sendo apenas possível seu conhecimento pela arqueologia.

19. (Fuvest-SP) No século XVI, a conquista e ocupação da América pelos espanhóis:
a) desestimulou a economia da metrópole e conduziu ao fim do monopólio de comércio.
b) contribuiu para o crescimento demográfico da população indígena, concentrada nas áreas de mineração.
c) eliminou a participação do Estado nos lucros obtidos e beneficiou exclusivamente a iniciativa privada.
d) dizimou a população indígena e destruiu as estruturas agrárias anteriores à conquista.
e) impôs o domínio político e econômico dos criollos.

20. (FEI-SP) As duas principais atividades econômicas que Portugal e Espanha incentivaram na América, no início da colonização, foram, respectivamente:
a) o cacau na América portuguesa e a mineração do ouro e da prata na América espanhola.
b) a mineração na América portuguesa e a monocultura do tabaco na América espanhola.
c) a monocultura de cana-de-açúcar na América portuguesa e a pecuária na América espanhola.
d) a monocultura da cana-de-açúcar na América portuguesa e a mineração de ouro e de prata na América espanhola.
e) a monocultura do algodão na América portuguesa e a pecuária na América espanhola.

21. (UFRGS-RS) O fato de os astecas e incas não haverem sido eliminados ou expulsos pelos conquistadores espanhóis se deveu:
a) à existência de excedente de produção e de força de trabalho organizada nessas civilizações.
b) ao respeito dos colonizadores pelas culturas desses povos.
c) aos tratados com os criollos, que regulamentavam as formas de convivência.
d) à associação com os colonizadores na exploração dos povos mais fracos.
e) à existência de ouro e prata nas regiões ocupadas por esses povos.

22. (FEI-SP) As idéias iluministas que tinham por base o culto da razão e a crença nas leis naturais:
a) eram favoráveis a uma organização estamental da sociedade.
b) propiciavam um embasamento teórico ao sistema monárquico, em qualquer uma de suas modalidades (constitucional, parlamentar ou absolutista).
c) eram contrárias à libertação das colônias da América.
d) propunham uma política econômica liberal.
e) favoreciam os princípios mercantilistas.

23. (Cesgranrio-RJ) Sobre as características da colonização européia na América, são corretas as opções a seguir, com exceção de uma. Assinale-a.
Características Colonização inglesa Colonização francesa Colonização espanhola
a) Organização da mão-de-obra indígena através da encomienda e da mita.
b) Utilização de mão-de-obra escrava nas plantations (Caribe).
b) Utilização de mão-de-obra escrava nas plantations (Caribe).
d) Organização social de base aristocrática, diferenciando chapetones e criollos.
e) Organização social favorável à miscigenação entre brancos e índios (as Treze Colônias).

24. (UFSCar-SP) Considere as proposições abaixo e assinale as que se incluem entre as idéias políticas e sociais defendidas pelos escritores iluministas do século XVIII.
I. A razão é o único guia infalível da sabedoria e é o único critério para o julgamento do bem e do
mal.
II. A prosperidade de um país está condicionada à acumulação de metais preciosos, ouro e prata.
III. O poder político vem de Deus, que é a fonte única de toda autoridade.
IV. O homem é naturalmente bom e a educação aperfeiçoa as suas qualidades inatas.
V. O poder político emana do povo, que deve ter o direito de escolher os seus governantes.
a) I, II e IV
b) I, III e V
c) II, III e IV
d) II, III e V
e) I, IV e V

25. (Fuvest-SP) "Um comerciante está acostumado a empregar o seu dinheiro principalmente em projetos lucrativos, ao passo que um simples cavalheiro rural costuma empregar o seu em despesas. Um freqüentemente vê seu dinheiro afastar-se e voltar às suas mãos com lucro; o outro, quando se separa do dinheiro, raramente espera vê-la de novo. Esses hábitos diferentes afetam naturalmente os seus temperamentos e disposições em toda espécie de atividade. O comerciante é, em geral, um empreendedor audacioso; o cavalheiro rural, um tímido em seus empreendimentos..."
(Adam Smith, A riqueza das nações, livro III, capítulo 4.)

Neste pequeno trecho, Adam Smith
a) contrapõe lucro e renda, pois geram racionalidades e modos de vida distintos.
b) mostra as vantagens do capitalismo comercial em face da estagnação medieval.
c) defende a lucratividade do comércio contra os baixos rendimentos do campo.
d) critica a preocupação dos comerciantes com seus lucros e dos cavalheiros com a ostentação de riquezas.
e) expõe as causas da estagnação da agricultura no final do século XVIII.

26. (FEI-SP) Em O espírito das leis afirma-se: "É uma verdade eterna: qualquer pessoa que tenha poder tende a abusar dele. Para que não haja abuso, é preciso organizar as coisas de maneira que o poder seja contido pelo poder". Essa afirmação reflete:
a) o espírito clássico renascentista
b) os princípios da teoria do direito divino
c) o liberalismo político iluminista
d) a filosofia política de Richelieu
e) o pensamento de Luís XIV

27. (Cesgranrio-RJ) Os começos do desenvolvimento científico moderno se identificam com a revolução científica do século XVII – o aparecimento de novas maneiras de pensar voltadas principalmente para o problema do conhecimento, tal como o demonstram as obras de Galileu, Bacon, Descartes, etc. Constituíram elementos característicos dessa revolução:
1 – a substituição da importância da autoridade e da tradição pelo valor da observação e da experimentação.
2 – a valorização da especulação racional em função da redescoberta das obras de Aristóteles.
3 – o triunfo do pressuposto racionalista acerca da racionalidade e inteligibilidade de um universo "escrito em linguagem matemática".
4- a superioridade filosófica e científica do racionalismo cartesiano, dedutivo, sobre o empirismo de Locke e Hume.
Assinale:
a) se somente os itens 1 e 2 estão corretas.
b) se somente os itens 3 e 4 estão corretas.
c) se somente os itens 1 e 3 estão corretas.
d) se somente os itens 2 e 4 estão corretas.
e) se somente os itens 1, 2 e 4 estão corretas.

28. (UFV-MG) Durante os séculos XVII e XVIII a Europa viveu um importante movimento de idéias que revolucionou o pensamento científico e político. Numere a segunda coluna de acordo com a primeira e assinale a alternativa correta.
1 – John Locke
2 – Montesquieu
3 – Descartes
4 – Rousseau
5 – Voltaire
( ) A tendência natural do homem é abusar do poder que lhe foi confiado. Para evitar o despotismo, a autoridade do governo deve ser desmembrada em três poderes – legislativo, executivo e judiciário.
( ) A liberdade de pensamento e de religião, bem como a igualdade perante a lei, é direito natural do homem.
( ) O governo existe pela necessidade de garantir os direitos e a segurança dos homens, mas seus poderes não podem ultrapassar os limites estabelecidos por aqueles que o escolheram.
( ) A razão é a única forma de se chegar ao conhecimento verdadeiro dos fatos.
( ) Todo poder emana do povo e é em nome do povo que ele é exercido.
a) 4,3,2,1e 5
b) 3,4, 5,2 e 1
c) 2, 5,1,3 e 4
d) 1,2,4,5 e 3
e) 5,1,3,4 e 2

29. (Fuvest-SP) O Estado moderno absolutista atingiu seu maior poder de atuação no século XVII. Na arte e na economia suas expressões foram respectivamente:
a) rococó e liberalismo
b) renascentismo e capitalismo
c) barroco e mercantilismo
d) maneirismo e colonialismo
e) classicismo e economicismo

30. (FCC-SP) A importância histórica de John Locke, como precursor do movimento chamado de ilustração, está no fato de ter:
a) elaborado o Ato de Navegação que deu à Inglaterra o domínio dos mares.
b) defendido os princípios do absolutismo monárquico.
c) participado da revolta de Cromwell contra o despotismo dos Tudor.
d) formulado a teoria dos direitos naturais do homem.
e) combatido a influência da burguesia na vida política.

31. (Cesgranrio-RJ) O processo de independência das treze colônias inglesas da América do Norte,
origem dos Estados Unidos da América, na segunda metade do século XVIII, articula-se às demais questões então em curso na Europa Ocidental, com exceção de uma. Assinale-a.
a) O conflito colonial e comercial entre a França e a Inglaterra, particularmente grave nas respectivas colônias da América do Norte.
b) A difusão das idéias liberais, ligadas ao Iluminismo, hostis à dominação e à exploração exercidas pelas metrópoles sobre suas colônias, especialmente o pacto colonial.
c) O desenvolvimento acelerado do capitalismo na Inglaterra, favorecendo os segmentos políticos e sociais hostis ao protecionismo mercantilista.
d) A ampla divulgação das idéias fisiocráticas, favoráveis às restrições adotadas pelas autoridades inglesas contra as relativas isenções fiscais e a autonomia político-administrativa das colônias norte-americanas.
e) A influência das idéias políticas e sociais, especialmente as obras de J. Locke e de Montesquieu, contrárias ao absolutismo e aos privilégios do Antigo Regime.

32. (Cesgranrio-RJ) "[...] Estas colônias unidas são, e têm o direito a ser, Estados livres e independentes e toda ligação política entre elas e a Grã-Bretanha já está e deve estar totalmente dissolvida." (Thomas Jefferson, Declaração de Independência, 1776.)
A afirmação de liberdade e independência contida no trecho acima relaciona-se:
a) ao propósito das colônias do Norte de se separarem do Sul escravista, em função dos entraves que a organização social sulina criava ao desenvolvimento capitalista.
b) ao interesse dos colonos norte-americanos em se alinharem com a França revolucionária, que lhes oferecia oportunidades mais ricas e proveitosas para as trocas comerciais.
c) à reação dos colonos, sustentada nas idéias dos filósofos iluministas, contra o reforço das medidas de exploração colonial imposto pela Inglaterra.
d) ao propósito de alcançar a autonomia política, embora preservando o monopólio comercial, que favorecia a economia das colônias do Norte.
e) à formalização de uma separação que, na verdade, já existia, como atesta a liberdade comercial que gozavam tanto as colônias do Norte quanto as do Sul.

33. (FCBH-MG) "O homem é o modelo do mundo. A experiência é a mestra das coisas."
Leonardo da Vinci
Com relação ao Renascimento artístico, literário e científico, elemento típico do período de transição do feudalismo ao capitalismo, podem ser feitas as seguintes afirmativas, exceto:
a) Os humanistas tiveram um papel extremamente importante na difusão das idéias renascentistas.
b) A reflexão sobre problemas humanos levou o homem renascentista à análise de sua própria origem dos Estados Unidos da América, na segunda metade do século XVIII, articula-se às demais questões então em curso na Europa Ocidental, com exceção de uma. Assinale-a.
a) O conflito colonial e comercial entre a França e a Inglaterra, particularmente grave nas respectivas colônias da América do Norte.
b) A difusão das idéias liberais, ligadas ao Iluminismo, hostis à dominação e à exploração exercidas pelas metrópoles sobre suas colônias, especialmente o pacto colonial.
c) O desenvolvimento acelerado do capitalismo na Inglaterra, favorecendo os segmentos políticos e sociais hostis ao protecionismo mercantilista.
d) A ampla divulgação das idéias fisiocráticas, favoráveis às restrições adotadas pelas autoridades inglesas contra as relativas isenções fiscais e a autonomia político-administrativa das colônias norte-americanas.
e) A influência das idéias políticas e sociais, especialmente as obras de J. Locke e de Montesquieu, contrárias ao absolutismo e aos privilégios do Antigo Regime.

32. (Cesgranrio-RJ) "[...] Estas colônias unidas são, e têm o direito a ser, Estados livres e independentes e toda ligação política entre elas e a Grã-Bretanha já está e deve estar totalmente dissolvida." (Thomas Jefferson, Declaração de Independência, 1776.)
A afirmação de liberdade e independência contida no trecho acima relaciona-se:
a) ao propósito das colônias do Norte de se separarem do Sul escravista, em função dos entraves que a organização social sulina criava ao desenvolvimento capitalista.
b) ao interesse dos colonos norte-americanos em se alinharem com a França revolucionária, que lhes oferecia oportunidades mais ricas e proveitosas para as trocas comerciais.
c) à reação dos colonos, sustentada nas idéias dos filósofos iluministas, contra o reforço das medidas de exploração colonial imposto pela Inglaterra.
d) ao propósito de alcançar a autonomia política, embora preservando o monopólio comercial, que favorecia a economia das colônias do Norte.
e) à formalização de uma separação que, na verdade, já existia, como atesta a liberdade comercial que gozavam tanto as colônias do Norte quanto as do Sul.

33. (FCBH-MG) "O homem é o modelo do mundo. A experiência é a mestra das coisas."
Leonardo da Vinci
Com relação ao Renascimento artístico, literário e científico, elemento típico do período de transição do feudalismo ao capitalismo, podem ser feitas as seguintes afirmativas, exceto:
a) Os humanistas tiveram um papel extremamente importante na difusão das idéias renascentistas.
b) A reflexão sobre problemas humanos levou o homem renascentista à análise de sua própria individualidade, num esforço de autoconhecimento.
c) A visão de mundo político-religiosa medieval continuava a ser o elemento fundamental para a compreensão do homem e do mundo.
d) A riqueza proveniente do comércio financiou artistas, cientistas, arquitetos, que passaram a ser contratados para dar forma às novas realidades sociais.
e) O racionalismo passou a ser a pedra de toque da mentalidade renascentista, estimulando o nascimento da ciência moderna.

34. (UFOP-MG) Leia o texto abaixo.
"A única maneira de fazer com que muito ouro seja trazido de outros reinos para o tesouro real é conseguir que grande quantidade de nossos produtos seja levada anualmente além dos mares, e menor quantidade de produtos seja para cá transportada."
(Política para tornar o reino da Inglaterra próspero,
rico e poderoso, 1549.)
Discuta essa afirmativa, localizando-a no contexto da economia mundial, e defina as modalidades do sistema econômico a que ela se refere.

35. (ESAM-RN) O Ato de Navegação (1651), votado pelo Parlamento inglês, no período de Cromwell, criou uma situação nova no comércio mundial, determinando, em conseqüência:
a) um bloqueio das nações do Mediterrâneo, que se julgavam prejudicadas pela Inglaterra.
b) um conflito armado entre as colônias exportadoras, que se sentiram altamente prejudicadas.
c) uma revolta da aristocracia rural inglesa, que se julgara preterida nos seus interesses.
d) um entrechoque armado com a Holanda, que pretendia a hegemonia do comércio marítimo.
e) uma situação de beligerância com os Estados Unidos, que começavam a expandir seu imperialismo.

36. (Centec-BA) Questões I e II:
"Os teólogos, portanto, tinham toda a preocupação voltada para as almas e para Deus, ou seja, para o mundo transcendente, o mundo dos fenômenos espirituais e imateriais. Os humanistas, por sua vez, voltavam-se para o aqui e o agora, para o mundo concreto dos seres humanos em luta entre si e com a natureza, a fim de terem um controle maior sobre o próprio destino. Por outro lado, a pregação do clero tradicional reforçava a submissão total do homem, em primeiro lugar, à onipotência divina, em segundo, à orientação do clero e, em terceiro, à tutela da nobreza, exaltando no ser humano, sobretudo, os valores da piedade, da mansidão e da disciplina. A postura dos humanistas era completamente diferente, valorizava o que de divino havia em cada homem, induzindo-o a expandir suas forças, a criar e a produzir, agindo sobre o mundo para transformá-la de acordo com sua vontade e seu interesse."
(Sevcenko)

I. No texto, a característica marcante do movimento humanista-renascentista é:
a) espírito crítico voltado para o estímulo às mudanças
b) supremacia do mundo espiritual sobre o material
c) valorização da piedade, da mansidão e da disciplina
d) defesa da Igreja e da cultura medievais
e) reprodução da crença dogmática dos teólogos medievais

II. A crítica dos humanistas era dirigida à sociedade:
a) capitalista
b) feudal
c) comunista
d) escravista
e) socialista

37. (UFPA) Relativamente à história do absolutismo monárquico na Inglaterra, é possível sustentar que:
a) a revolução que derrubou o governo de Jaime II, da dinastia Stuart, não assinalou apenas o fim do regime absolutista inglês, mas, igualmente, o triunfo da burguesia e do Parlamento sobre a Coroa britânica.
b) o regime absolutista instala-se na Inglaterra em conseqüência das guerras de religião, já que somente dispondo de um governo centralizado e autoritário é que Henrique VIII poderia implantar o protestantismo no país.
c) o estabelecimento do regime absolutista na Inglaterra foi prejudicial aos interesses do país, posto que a burguesia britânica, privada da liberdade política, emigrou em massa para a França e para a Holanda.
d) o fim do regime absolutista inglês ocorre com a revolução comandada por Oliver Cromwell, oportunidade em que as forças parlamentares sob a sua chefia depõem Carlos I e encerram o ciclo dos governos autoritários dos Tudor.
e) comparados a outros governos absolutistas europeus, os ingleses foram mais tolerantes e maleáveis. Veja-se, por exemplo, que durante o reinado dos Stuart a liberdade de religião sempre foi respeitada na Inglaterra.

38. (Unicamp-SP) Você já deve ter aprendido que a história pode ser representada pelas várias etapas do progresso humano. Os momentos cruciais desse desenvolvimento histórico foram denominados revolucionários. Diante dessa afirmação, leia atentamente o texto abaixo:
"A burguesia, conduzida por Oliver Cromwell, inspirada por um deus calvinista e motivada por ambição de conquista, derrotou o movimento nivelador e tudo o mais. Em conseqüência, ele foi odiado por muitos pobres, o que sabia e reconhecia. Em uma de suas marchas pela cidade, comentou com seu acompanhante a respeito da multidão:
– Eles estariam mais barulhentos e também mais felizes se você e eu estivéssemos a caminho da forca.
O deus de Cromwell era um deus do trabalho e da conquista: da Jamaica, da Escócia, e o que não será esquecido, da Irlanda." (Peter Linebaugh, Todas as montanhas atlânticas estremeceram, 1985.)
a) Caracterize segundo os seus conhecimentos o processo revolucionário a que o texto se refere.
b) Como você utilizaria o texto acima para discordar da idéia de que as revoluções representam sempre um período de progresso humano?

39. (UFPA) Observadas as realidades históricas pertinentes ao absolutismo monárquico na Europa moderna, é possível apresentar-se a seguinte conclusão:
a) as monarquias absolutas foram mais expressivas nos países em que predominou a influência protestante, haja vista que o luteranismo exaltava os poderes do Estado como necessários para a glória de Deus.
b) na Inglaterra, a monarquia absoluta é suprimida, ainda no século XVII, através da revolução com que Oliver Cromwell derrubou a dinastia dos Stuart e consagrou o papel do Parlamento como agente constitucional britânico.
c) nos países em que foi menos expressiva a presença da Igreja católica, inexistiu, virtualmente, a monarquia absoluta, fato que se verificou em relação a Portugal e Espanha.
d) as monarquias absolutas resultaram, em última análise, das profundas transformações produzidas pelo fim do feudalismo. Na Itália, por exemplo, o desmoronamento da ordem feudal resultou na formação do Estado moderno italiano.
e) na França, o apogeu do sistema absolutista ocorre num momento em que a economia francesa experimentava uma fase de desenvolvimento e de consolidação, graças à política executada por Colbert no governo de Luís XIV.

40. (Unicamp-SP) "Todo o poder vem de Deus. Os governantes, pois, agem como ministros de Deus e seus representantes na terra. Conseqüentemente, o trono real não é o trono de um homem, mas o trono do próprio Deus." (Jacques Bossuet, Política tirada das palavras da Sagrada Escritura, 1709.)
"[...] Que seja prefixada à Constituição uma declaração de que todo o poder é originalmente concedido ao povo e, conseqüentemente, emanou do povo."
(Emenda constitucional proposta por Madison em 8 de junho de 1789)
a) Explique a concepção de Estado em cada um dos textos.
b) Qual a relação entre indivíduo e Estado em cada um dos textos?

41. (Fuvest-SP) No século XVII, a Inglaterra conheceu convulsões revolucionárias que culminaram com a execução de um rei (1649) e a deposição de outro (1688). Apesar das transformações significativas terem se verificado na primeira fase, sob Oliver Cromwell, foi o período final que ficou conhecido como Revolução Gloriosa. Isto se explica porque:
a) em 1688, a Inglaterra passara a controlar totalmente o comércio mundial tornando-se a potência mais rica da Europa.
b) auxiliada pela Holanda, a Inglaterra conseguiu conter em 1688 forças contra-revolucionárias que, no continente, ameaçavam as conquistas de Cromwell.
c) mais que a violência da década de 1640, com suas execuções, a tradição liberal inglesa desejou celebrar a nova monarquia parlamentar consolidada em 1688.
d) as forças radicais do movimento, como Cavadores e Niveladores, que assumiram o controle do governo, foram destituídas em 1688 por Guilherme de Orange.
e) só então se estabeleceu um pacto entre a aristocracia e a burguesia, anulando-se as aspirações políticas da gentry.

42. (Fuvest-SP) A dominação espanhola (1580-1640) provocou mudanças no império colonial português; por isso mesmo, D. João IV, que subiu ao trono com a Restauração ocorrida em 1640, teria dito que "o Brasil é a vaca leiteira de Portugal".
a) Quais mudanças do império derivaram da dominação espanhola?
b) Que relação há entre as mudanças e a idéia de que o Brasil se tornou a "vaca leiteira" de Portugal?
43. (Fuvest-SP) Leia o poema abaixo e, em seguida, responda às questões.
O mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu
Mas nele é que espelhou o céu.
(Fernando Pessoa, Mensagem.)
a) Qual o período da história de Portugal que está sendo recuperado pelo poeta Fernando Pessoa?
b) Por que as aventuras marítimas, nesse período, eram empreendimentos tão arriscados?
c) Por que a conquista e o domínio dos mares foram tão importantes naquele período?



GABARITO
1. E
2. a) Mercantilismo.
b) A política econômica mercantilista, típica do Estado moderno absolutista, identificava a riqueza com a posse de moeda feita de metais preciosos (metalismo). A partir dai, buscava a obtenção de moeda no comércio externo, por meio de uma balança comercial favorável. Tal lucro seria obtido pelo intervencionismo estatal, ao promover o protecionismo e o estímulo às manufaturas (industrialismo).
3. A 4. A
5. O protecionismo limitava as importações e estimulava a produção interna para exportações. Já o monopólio fornecia produtos a baixo preço e mantinha um mercado para absorver a produção metropolitana, propiciando elevada lucratividade, que favorecia a balança comercial real.
6. E 7. E
8. a) Foi o tratado assinado em 1494 entre Portugal e Espanha, dividindo as terras descobertas ou por descobrir por um meridiano traçado 370 léguas a oeste de Cabo Verde: as terras a leste dele pertenceriam a Portugal e aquelas situadas a oeste, à Espanha.
b) O tratado foi contestado por ter levado em consideração apenas os interesses de Portugal e Espanha, excluindo os demais países europeus da partilha das terras ultramarinas.
9. D 10. B
11. O texto reflete o extermínio das populações indígenas da América de colonização espanhola, notadamente no Caribe, onde ocorreu verdadeiro desaparecimento das populações nativas. Apesar da visão inocente e idealista dos indígenas da América presente nas palavras do religioso, percebe-se o reconhecimento da existência do caráter humano no indígena, visto como ser dotado de alma e razão. A maior parte dos colonizadores da época (inclusive membros do clero) negava essa visão.
12. a) A economia romana fundava-se na exploração em larga escala do trabalho escravo, caracterizando o sistema escravista. Tornavam-se escravos, inicialmente, os homens livres endividados; porém, cada vez mais, a maior parte da mão-de-obra escrava passou a ser proveniente de submissão de povos conquistados por Roma. Já na América Colonial, a economia estava integrada no sistema capitalista, no qual a exploração do trabalho do escravo (fornecido por traficantes) surge como um elemento no processo de acumulação de capital vigente no período. Além disso, formas alternativas de trabalho compulsório, como a mita e a encomienda, foram empregadas em larga escala.
b) A escravidão romana pertence à antiga ordem escravista, fundada no expansionismo romano, enquanto a escravidão colonial americana faz parte do contexto da acumulação primitiva de capitais no desenvolvimento capitalista. Em ambos os casos, a escravidão representou a estrutura central da riqueza e do poderio dos escravizadores.
Tanto em um caso como noutro, a resistência dos escravizados ocorreu por meio de fugas, rebeliões e enfrentamentos das mais diferentes formas (preservação de cultos, costumes, referências lingüísticas, etc).
13. a) Index era a lista de livros proibidos aos cristãos católicos.
b) Entravou o progresso cultural e científico da Europa moderna.
14. C 15. D 16. B 17. A 18. D 19. D 20. D 21. E 22. D 23. E 24. E 25. A 26. C 27. C 28. C 29. C 30. C 31. D 32. C 33. C
34. Em meio ao capitalismo comercial, a Inglaterra desenvolveu a política mercantilista, visando ao entesouramento do Estado. A obtenção de uma balança comercial favorável e o ideal metalista norteavam as relações econômicas com os demais países, especialmente com as novas regiões coloniais da Idade Moderna.
35. D
36. Questão I: A || Questão II: B
37. A
38. a) O texto se refere à Revolução Puritana de Cromwell, que foi o primeiro ensaio revolucionário burguês em direção ao poder político.
b) As revoluções podem se direcionar contra certos alvos, mas ao mesmo tempo podem se apegar a certos mitos.
39. E
40. a) O primeiro texto apresenta a concepção do Estado monárquico absolutista, característico da Idade Moderna, em que o poder real fundado no direito divino era ilimitado. O segundo texto apresenta uma concepção liberal, fundada no direito natural, em que o governo emana do consentimento dos seus governados e tem poderes limitados pelo respeito à liberdade, prosperidade e felicidade.
b) No primeiro texto, o indivíduo, considerado súdito da monarquia absoluta, é submetido pelo Estado. O segundo texto, fundado no liberalismo, assegura ao indivíduo direitos naturais, inalienáveis, cabendo ao Estado representá-los e garanti-los por meio de legislação e instituições.
41. C
42. a) A União Ibérica foi prejudicial a Portugal, que se viu envolvido nas guerras da Espanha. A decadência econômica acelerada e o declínio político, tanto na Europa quanto na colônia, foram acentuados.
b) A decadência econômica foi enfrentada com a criação do Conselho Ultramarino (1640), responsável pela elaboração de uma nova política colonial. Tal política estabelecia o arrocho colonial, isto é, a intensificação da exploração metropolitana sobre as colônias, notada-mente o Brasil. Além disso, haveria maior presença da autoridade portuguesa nos negócios locais, levando à diminuição da autonomia, por exemplo, das câmaras brasileiras.
43. a) Trata-se de uma referência ao período da expansão marítima portuguesa nos séculos XV e XVI.
b) Devido à precariedade de meios, ao desconhecimento dos mares e às crescentes rivalidades entre as nações européias.
c) Porque representavam a garantia de sucesso econômico por meio da expansão comercial.