sexta-feira, 24 de agosto de 2012

BANCO DE QUESTÕES: BRASIL - REGENCIAL



TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Fuvest 92) A(s) questão(ões) seguinte(s) é(são) composta(s) por três proposições I, II e III que podem ser falsas ou verdadeiras. examine-as identificando as verdadeiras e as falsas e em seguida marque a alternativa correta dentre as que se seguem:

a) se todas as proposições forem verdadeiras.
b) se apenas forem verdadeiras as proposições I e II.
c) se apenas forem verdadeiras as proposições I e III.
d) se apenas forem verdadeiras as proposições II e III.
e) se todas as proposições foram falsas.

1. I. A política de recolonização proposta pelas Cortes portuguesas foi um dos fatores que levaram à proclamação da Independência.
II. As rebeliões ocorridas durante o Período Regencial permitiram que as camadas mais pobres da população tivessem representação e participação política junto às instituições imperiais.
III. A abdicação de D. Pedro I significou a vitória dos liberais e a consolidação do poder da aristocracia rural.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES.
(Ufpr 91) Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

2. A abdicação de D. Pedro I traduziu-se na vitória das tendências liberais sobre as forças absolutistas representadas pelo Imperador, completando também o processo de emancipação política do Brasil em relação a metrópole portuguesa.
O período regencial, que segue à abdicação do Imperador, preparou o caminho para a consolidação do Império. Sobre esse processo é correto afirmar que:

(01) A iniciativa mais importante do início do período regencial foi desencadear vigoroso processo de industrialização.
(02) Foi consolidada a unidade política e territorial do Brasil, apesar dos movimentos provinciais de autonomia.
(04) O latifúndio e a escravidão permaneceram como bases da sociedade brasileira naquele período.
(08) A abdicação de D. Pedro I foi possível porque havia sido instalado formalmente o regime de parlamentarismo.
(16) Pelo Ato Adicional de 1834, foram criadas as Assembléias Legislativas nas diversas províncias.

soma = (          )

3. No período compreendido entre a Independência e 1849, o Brasil foi marcado por agitações sociais e políticas. Sobre essas agitações, é correto afirmar que:

(01) A "Cabanagem" no Pará (1835-1840) foi um movimento que teve forte participação das camadas populares.
(02) Também no Maranhão houve violência social na rebelião conhecida por "Balaiada" (1838 - 1841), com forte participação popular.
(04) Apenas na Bahia não houve agitação social ou movimentos visando à emancipação regional.
(08) A revolta dos liberais em 1842, em São Paulo e em Minas Gerais, contribuiu para que mais tarde fosse praticada a alternância no poder dos partidos Liberal e Conservador.
(16) A mais longa das revoltas brasileiras desse período foi a Revolução Farroupilha (1835 - 1845), na qual se chegou a proclamar uma república independente.
(32) A "Revolução Praieira" (1848) foi o último grande movimento nordestino revoltoso, de caráter popular, democrático e de influência ideológica.

soma = (          )

4. (Fgv 97) Associe os fatos político-militares do Primeiro Reinado e da Regência brasileira a seguir, com suas localizações:

Coluna A
1 - Balaiada
2 - Cabanagem
3 - Ato Adicional
4 - Sabinada
5 - Confederação do Equador

Coluna B
I - Pará
II - Bahia
III - Maranhão
IV - Pernambuco
V - Rio de Janeiro

Escolha a alternativa que tem a associação correta:
a) 1 - III; 2 - I; 3 - V; 4 - II; 5 - IV;
b) 1 - II; 2 - V; 3 - II; 4 - I; 5 - V;
c) 1 - III; 2 - II; 3 - V; 4 - IV; 5 - I;
d) 1 - IV; 2 - I; 3 - V; 4 - III; 5 - II;
e) 1 - V; 2 - III; 3 - IV; 4 - II; 5 - I;

5. (Ufpr 2000) No Brasil imperial:

(01) A "Missão Francesa", que chegou ao Brasil em 1816, trazendo artistas plásticos como Debret e Taunay, contribuiu para a transformação da fisionomia cultural do país.
(02) Segundo a organização político-administrativa, as províncias eram administradas por governadores-gerais eleitos pelos membros dos Conselhos Municipais.
(04) Os primeiros anos do Império constituíram-se em um período de rápido crescimento econômico, especialmente em razão das receitas obtidas com as tarifas de importação e com o crescimento da exportação.
(08) O período regencial foi marcado por grandes disputas entre grupos políticos e por intensa agitação social em quase todas as províncias.
(16) Durante o Segundo Reinado, paralelamente à existência do Poder Moderador e do Conselho de Estado, predominou um regime de governo nos moldes parlamentaristas, no qual o Gabinete era liderado pelo primeiro ministro nomeado pelo Imperador.
(32) A entrada de imigrantes, a partir da segunda metade do século XIX, esteve relacionada à expansão da cultura cafeeira no oeste paulista e às medidas legais que conduziram à abolição do trabalho escravo.

Soma (       )

6. (Ufpe 2000) Esta questão diz respeito a fatos políticos ocorridos no Império brasileiro.

(0) O Período Regencial foi uma fase de grande turbulência política no Brasil, com movimentos sociais e revoltas.
(1) O Golpe da Maioridade que levou Pedro II ao poder foi uma trama política dos liberais.
(2) Manifestações liberais surgiram no Sudeste do Brasil como represália à política imperial e à dissolução da Câmara Liberal, escolhida pela chamada "eleição do cacete".
(3) Durante o processo de independência, dois "partidos políticos" tiveram importante atuação. Foram eles o Partido Liberal e o Partido Moderador Republicano.
(4) Após a independência brasileira surgiram revoltas em Minas e em Pernambuco a favor da volta do pacto colonial.

7. (Ufmg 2001) A organização do sistema político foi objeto de discussões e conflitos ao longo do período imperial no Brasil.
Com relação ao contexto histórico do Brasil Imperial e aos problemas a ele relacionados, é CORRETO afirmar que:
a) a centralização do poder foi objeto de sérias disputas ao longo de todo o século XIX e explica várias contendas internas às elites imperiais, como a Rebelião Praieira.
b) o Constitucionalismo ganhou força, fazendo com que o Legislativo, o Executivo e o Judiciário se tornassem independentes e harmônicos, o que atendia às queixas dos rebeldes da Balaiada.
c) o Federalismo de inspiração francesa e jacobina foi uma das principais bandeiras do Partido Liberal, a partir da publicação do Manifesto Republicano, o que explica, entre outras, a Revolução Liberal de 1842.
d) os movimentos de contestação armada - como a Revolução Farroupilha, a Sabinada ou a Cabanagem - tinham em comum a crítica liberal às tendências absolutistas, persistentes no governo de D. Pedro II.


8. (Fuvest 2002) No Brasil, tanto no Primeiro Reinado, quanto no período regencial,
a) aconteceram reformas políticas que tinham por objetivo a democratização do poder.
b) ocorreram embates entre portugueses e brasileiros que chegaram a pôr em perigo a independência.
c) disseminaram-se as idéias republicanas até a constituição de um partido político.
d) mantiveram-se as mesmas estruturas institucionais do período colonial.
e) houve tentativas de separação das províncias que puseram em perigo a unidade nacional.

9. (Ufg 2001) O processo de formação do Estado brasileiro encontra várias possibilidades de leitura, dada a diversidade de projetos políticos existentes no Brasil, nas primeiras décadas do século XIX. Entre as conjunturas da independência (1822) e da abdicação (1831), o País conviveu com projetos diferentes de gestão política.
Sobre as conjunturas mencionadas anteriormente e seus desdobramentos, julgue os itens.

(     ) O acordo em torno do príncipe D. Pedro foi uma decorrência do receio de que a independência se transfigurasse em aberta luta política entre os diversos segmentos da sociedade brasileira. A Monarquia era a garantia da ordem escravista.
(     ) Ao proclamar a independência, o príncipe D. Pedro rompeu com a comunidade portuguesa, que insistia em ocupar cargos públicos. A direção política do País foi entregue aos homens aqui nascidos, condição essencial para ser considerado cidadão no novo lmpério.
(     ) Em 1831, as elites políticas brasileiras entraram em desacordo com o Imperador, que insistia em desconsiderar o legislativo, preocupando-se, excessivamente, em defender os interesses dinásticos de sua filha em Portugal, o que irritava as elites políticas locais.
(     ) Com a abdicação, iniciou-se um período marcado pelo crescimento econômico decorrente da produção de café, o que possibilitou a execução de uma reforma política, o Ato Adicional (1834), que deu estabilidade ao Império.

10. (Puc-rio 2001) As alternativas abaixo apresentam exemplos de permanências ou continuidades na formação social brasileira, ao longo da primeira metade do século XIX, À EXCEÇÃO DE:
a) a família patriarcal extensa.
b) o trabalho escravo negro.
c) o exclusivo comercial.
d) a economia de base agrícola.
e) o regime de padroado.

11. (Unesp 91) O resultado da discussão política e a aprovação da antecipação da maioridade de D. Pedro II representou:
a) o pleno congraçamento de todas as forças políticas da época.
b) a vitória parlamentar do bloco partidário liberal.
c) a trama bem-sucedida do grupo conservador que fundara a Sociedade Promotora da Maioridade.
d) a anulação da ordem escravista que prevalecia sobre os interesses particulares.
e) a debandada do grupo político liderado por um proprietário rural republicano.

12. (Fuvest 94) "Sabinada" na Bahia, "Balaiada" no Maranhão e "Farroupilha" no Rio Grande do Sul foram algumas das lutas que ocorreram no Brasil em um período caracterizado
a) por um regime centralizado na figura do imperador, impedindo a constituição de partidos políticos e transformações sociais na estrutura agrária.
b) pelo estabelecimento de um sistema monárquico descentralizado, o qual delegou às Províncias o encaminhamento da "questão servil".
c) por mudanças na organização partidária, o que facilitava o federalismo, e por transformações na estrutura fundiária de base escravista.
d) por uma fase de transição política, decorrente da abdicação de Dom Pedro I, fortemente marcada por um surto de industrialização, estimulado pelo Estado.
e) pela redefinição do poder monárquico e pela formação dos partidos políticos, sem que se alterassem as estruturas sociais e econômicas estabelecidas.

13. (Fuvest 93) Sobre a Guarda Nacional, é correto afirmar que ela foi criada:
a) pelo imperador, D. Pedro II, e era por ele diretamente comandada, razão pela qual tornou-se a principal força durante a Guerra do Paraguai.
b) para atuar unicamente no Sul, a fim de assegurar a dominação do Império na Província Cisplatina.
c) segundo o modelo da Guarda Nacional Francesa, o que fez dela o braço armado de diversas rebeliões no período regencial e início do Segundo Reinado.
d) para substituir o exército extinto durante a menoridade, o qual era composto, em sua maioria, por portugueses e ameaçava restaurar os laços coloniais.
e) no período regencial como instrumento dos setores conservadores destinado a manter e restabelecer a ordem e a tranqüilidade públicas.

14. (Unesp 95) "Mais importante, o país é abalado por choques de extrema gravidade; não mais os motins... mas verdadeiros movimentos revolucionários, com intensa participação popular, põem em jogo a ordem interna e ameaçam a unidade nacional. Em nenhum outro momento há tantos episódios, em vários pontos do país, contando com a presença da massa no que ela tem de mais humilde, desfavorecido. Daí as notáveis conflagrações verificadas no Pará, no Maranhão, em Pernambuco, na Bahia, no Rio Grande do Sul."
                        (Francisco Iglésias, "BRASIL, SOCIEDADE DEMOCRÁTICA".)

Este texto refere-se ao período:
a) da Guerra da Independência.
b) da Revolução de 1930.
c) agitado da Regência.
d) das Revoltas Tenentistas.
e) da Proclamação da República.

15. (Faap 96) Iniciado por holandeses e ingleses, o povoamento consolida-se com os portugueses. Em 1835, é palco do movimento popular da Cabanagem. A economia fica estagnada até o fim do século XIX. O crescimento é retomado com o ciclo da borracha e continua com a produção de madeira e castanha.
a) Paraíba
b) Paraná
c) Mato Grosso do Sul
d) Pará
e) Minas Gerais

16. (Faap 96) "Em 1627, jesuítas espanhóis criam missões na margem oriental do rio Uruguai, mas são expulsos pelos portugueses, que, em 1680, criam a colônia de Sacramento, às margens do rio da Prata. Em 1687, os jesuítas instalam novos povoados, os Sete Povos das Missões Orientais. A partir de 1824, a chegada de imigrantes alemães e italianos dá uma feição especial ao desenvolvimento da região. No século XIX, vive diversas rebeliões, como a Guerra dos Farrapos, que dura dez anos."
a) Piauí
b) Pernambuco
c) Rio Grande do Sul
d) Rio de Janeiro
e) Rondônia

17. (Faap 96) "A ocupação começa pelo interior, com a instalação de fazendas de gado vindo da Bahia, em busca de pastagens. Na independência, em 1822, os portugueses revoltam-se e passam a combater os brasileiros. Cerca de 4 mil homens participam da Batalha dos Jenipapos, vencida pelos portugueses. O movimento espalha-se pela região, mas os brasileiros terminam vitoriosos. Mais tarde, rebeliões como a Confederação do Equador e a Balaiada abalam a província."
a) Rondônia
b) Rio de Janeiro
c) Rio Grande do Sul
d) Pernambuco
e) Piauí

18. (Faap 96) A Guarda Nacional foi organizada por:
a) José Bonifácio para consolidar a Independência
b) Feijó para garantia e ordem interna durante a Regência
c) Caxias como apoio à ação centralizadora no II Império
d) Floriano Peixoto para obstar as tendências descentralizadoras
e) Rui Barbosa, quando candidato à Presidência da República

19. (Uel 94) "... explodiu na província do Grão-Pará o movimento armado mais popular do Brasil (... ). Foi uma das rebeliões brasileiras em que as camadas inferiores ocuparam o poder..."

Ao texto pode-se associar
a) a Regência e a Cabanagem.
b) o I Reinado e a Praieira.
c) o II Reinado e a Farroupilha.
d) o Período Joanino e a Sabinada.
e) a Abdicação e a Noite das Garrafadas.

20. (Unaerp 96) Assinale a alternativa incorreta:
a) O Clube da Maioridade tinha como objetivo lutar, junto à Assembléia Nacional, pela antecipação da maioridade de Pedro de Alcântara.
b) Os principais representantes do Clube da Maioridade eram os irmãos Martin Francisco e Antônio Carlos de Andrada e Silva.
c) O Clube da Maioridade teve o apoio das classes dominantes e uniu políticos progressistas e parte dos regressistas.
d) Em 1840, a Assembléia Nacional aprovou a tese da Maioridade e Pedro Alcântara apesar de seus 15 anos incompletos, foi considerado apto para assumir a chefia do Estado Brasileiro.
e) O Clube da Maioridade, permitiu que D. Pedro assumisse o poder no dia 20 de dezembro de 1840, marcando o início do Primeiro Reinado.

21. (Uece 96) "O período regencial foi um dos mais agitados da história política do país e também um dos mais importantes. Naqueles anos, esteve em jogo a unidade territorial do Brasil, e o centro do debate político foi dominado pelos temas da centralização ou descentralização do poder, do grau de autonomia das províncias e da organização das Forças Armadas."                                  

             (FAUSTO, Boris. HISTÓRIA DO BRASIL. 2 ed. São Paulo: EDUSP,  
             1995. p. 161.)
           
Sobre as várias revoltas nas províncias durante o período da Regência, podemos afirmar corretamente que:
a) eram levantes republicanos em sua maioria, que conseguiam sempre empolgar a população pobre e os escravos
b) a principal delas foi a Revolução Farroupilha, acontecida nas províncias do nordeste, que pretendia o retorno do Imperador D. Pedro I
c) podem ser vistas como respostas à política centralizadora do Império, que restringia a autonomia financeira e administrativa das províncias
d) em sua maioria, eram revoltas lideradas pelos grandes proprietários de terras e exigiam uma posição mais forte e centralizadora do governo imperial


22. (Mackenzie 96) Do ponto de vista político podemos considerar o período regencial como:
a) uma época conturbada politicamente, embora sem lutas separatistas que comprometessem a unidade do país.
b) um período em que as reivindicações populares, como direito de voto, abolição da escravidão e descentralização política foram amplamente atendidas.
c) uma transição para o regime republicano que se instalou no país a partir de 1840.
d) uma fase extremamente agitada com crises e revoltas em várias províncias, geradas pelas contradições das elites, classe média e camadas populares.
e) uma etapa marcada pela estabilidade política, já que a oposição ao imperador Pedro I aproximou os vários segmentos sociais, facilitando as alianças na regência.

23. (Fuvest 88) O período regencial foi politicamente marcado pela aprovação do Ato Adicional que:
a) criou o Conselho de Estado.
b) implantou a Guarda Nacional.
c) transformou a Regência Trina em Regência Una.
d) extinguiu as Assembléias Legislativas Provinciais.
e) eliminou a vitaliciedade do Senado.

24. (Fuvest 97) A Sabinada, que agitou a Bahia entre novembro de 1837 e março de 1838,
a) tinha objetivos separatistas, no que diferia frontalmente das outras rebeliões do período.
b) foi uma rebelião contra o poder instituído no Rio de Janeiro que contou com a participação popular.
c) assemelhou-se à Guerra dos Farrapos, tanto pela postura anti-escravista quanto pela violência e duração da luta.
d) aproximou-se, em suas proposições políticas, das demais rebeliões do período pela defesa do regime monárquico.
e) pode ser vista como uma continuidade da Rebelião dos Alfaiates, pois os dois movimentos tinham os mesmos objetivos.

25. (Cesgranrio 93) O período regencial brasileiro (1831/1840) foi marcado por revoltas em quase todas as províncias do Império, em meio às lutas políticas entre os membros da classe dominante.  Uma das tentativas de superação desses conflitos foi a aprovação, pelo Parlamento, do Ato Adicional de 1834, que se caracterizava por:
a) substituir a Regência Una pela Regência Trina.
b) fortalecer o Legislativo e o Judiciário.
c) conceder menor autonomia às Províncias.
d) extinguir os Conselhos Provinciais.
e) estimular o desenvolvimento econômico regional.

26. (G1) Entre os grupos políticos que figuraram no Período Regencial, o grupo dos ______________ defendia a volta de D. Pedro I e era formado por ______________ .

Completa a frase acima:
a) liberais - fazendeiros;
b) conservadores - republicanos;
c) republicanos - abolicionistas;
d) restauradores - portugueses;
e) exaltados - comerciantes.

27. (G1) As revoltas do período regencial de caráter popular, ocorridas respectivamente no Maranhão e no Pará, foram:
a) Farrapos e Praieira;
b) Canudos e Contestado;
c) Balaiada e Cabanagem;
d) Sabinada e Alfaiates;
e) Confederação do Equador e Praieira.

28. (G1) O Ato Adicional de 1834, estabeleceu reformas na Constituição de 1824, entre as quais NÃO podemos destacar:
a) a criação da Guarda Nacional;
b) a substituição da regência trina pela regência una;
c) a autonomia dada às províncias, com a criação das Assembléias Legislativas;
d) a criação do município neutro do Rio de Janeiro;
e) eleições para regente, para um mandato de quatro anos.

29. (G1) Destacou-se por conter as revoltas provinciais, ganhando o título de "O Pacificador":
a) Diogo Antônio Feijó;
b) Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias;
c) Araújo Lima;
d) José Bonifácio;
e) Cipriano Barata.

30. (Faap 97) Movimento que pretendia proclamar a República Baiense, que deveria existir durante a menoridade de D. Pedro. Com a maioridade, seria abolida a República e a Bahia integrar-se-ia ao Império - 1837.
a) Farroupilha
b) Balaiada
c) Sabinada
d) Cabanagem
e) Revolta Praieira

31. (Faap 97) Revolta de cunho popular: população pobre da região. Chegam a tomar Belém e assumem o governo 1835 -1836.

1Ž governo cabano: Félix Clemente Malcher;
2Ž governo cabano: Francisco Vinagre;
3Ž governo cabano: Eduardo Angelim.
Movimento reprimido pelo general Soares Andréia.
a) Farroupilha
b) Balaiada
c) Sabinada
d) Revolta Praieira
e) Cabanagem

32. (Cesgranrio 91) "O período regencial que se iniciou em 1831 teve no Ato Adicional de 1834 um alento de abertura e um ensaio de um regime menos centralizado. Para os monarquistas conservadores, a Regência foi uma 'verdadeira' república, que mostrou sua ineficiência. Tal período é caracterizado como sendo de CRISE."
Segundo o texto, pode-se dizer que a crise ocorreu porque:
a) a descentralização era um desejo antigo dos conservadores.
b) a centralização "encarnava" bem o espírito republicano.
c) a partilha do poder não se coadunava com o espírito republicano.
d) a descentralização provocou a reação dos meios conservadores.
e) a descentralização se opunha aos princípios liberais.

33. (Ufrs 97) Entre as medidas liberais determinadas pelo Ato Adicional de 1834, encontra-se a
a) instituição do poder Moderador.
b) convocação de Assembléia Constituinte para elaboração de novo projeto constitucional.
c) eleição de uma Regência Trina Provisória em substituição ao Imperador Pedro I.
d) criação de Assembléias Legislativas Provinciais.
e) extensão do voto para todos os brasileiros.

34. (Unirio 97) O período regencial (1831 -1840) foi marcado, na história do Império brasileiro, por grave instabilidade política, como se observa no(a):
a) reforço da política centralizadora que permitiu o fim das rebeliões provinciais.
b) envolvimento do Império em confronto com os países platinos.
c) caráter restaurador de diversas revoluções como a Farroupilha.
d) vitória do movimento regressista, que levou à revisão do Ato Adicional.
e) oposição dos setores liberais às reformas implantadas pelo Ato Adicional.

35. (Pucmg 97) Com a abdicação de D. Pedro I, o Brasil entra no período denominado regencial (1831/40), caracterizado por, EXCETO:
a) intensa agitação social, expressa nas rebeliões ocorridas em vários pontos do país.
b) diminuição da interferência britânica na economia no pós-1827, época do término dos tratados comerciais de 1810.
c) fortalecimento do poder político dos senhores de terra, com a criação da Guarda Nacional.
d) dificuldades econômicas geradas pela ausência de um produto agrícola de exportação.
e) agravamento da crise financeira com a utilização de recursos em campanhas militares desvantajosas, como a Guerra da Cisplatina.

36. (Unirio 96) A consolidação do Império foi marcada por várias rebeliões, que, representando grupos, regiões e interesses diversificados, ameaçaram o Estado Imperial.
Assinale a opção que associa uma dessas rebeliões ocorridas durante o Império com o que foi afirmado acima:
a) A Cabanagem, no Grão-Pará, expressou a reação dos comerciantes locais contra o monopólio do comércio.
b) A Praieira, em Pernambuco, foi a mais importante manifestação do Partido Restaurador.
c) A Sabinada, na Bahia, teve origem na mais importante rebelião popular e de escravos do período.
d) A Balaiada, no Maranhão, apesar da sua fidelidade monárquica, representou o ideal federal da oligarquia.
e) A Farroupilha, no Rio Grande, foi a mais longa rebelião republicana e federalista, expressando ideais dos proprietários gaúchos.

37. (Uff 97) Por ser o herdeiro de menor idade, a abdicação de D. Pedro I, em 1831, resultou na formação de governos regenciais que, até 1840, enfrentaram inúmeras dificuldades para manter a integridade territorial do Império.  Entre as várias rebeliões irrompidas nas províncias, a ocorrida no Maranhão notabilizou-se pela diversidade social dos insurgentes, entre os quais não faltaram escravos a quilombolas.
A revolta mencionada denomina-se:
a) Cabanagem
b) Balaiada
c) Farroupilha
d) Revolta dos Malês
e) Praieira

38. (Ufmg 97) Os governos regenciais no Brasil (1831-1840) se caracterizaram por
a) buscar a afirmação do poder político central para satisfazer os exaltados.
b) fortalecer o poder político do Imperador, ao promover o Golpe da Maioridade.
c) promover a descentralização, o que gerou diversas revoltas regionais.
d) satisfazer o desejo dos moderados, que buscavam a restauração da monarquia.


39. (Fuvest 98) A descentralização política do Brasil, no período regencial, resultou em:
a) deslocamento das atividades econômicas para a região centro-sul, através de medidas de favorecimento tributário.
b) ampla autonomia das províncias, de acordo com um modelo que veio a ser adotado, mais tarde, pela Constituição de 1891.
c) revoluções e movimentos sediciosos, que exigiam um modelo centralizador, em benefício das várias regiões do país.
d) revoluções e movimentos sediciosos, exigindo que o futuro D. Pedro II assumisse o trono para reduzir a influência do chamado "partido português".
e) autonomia relativa das províncias, favorecendo o poder das elites regionais mais significativas.

40. (Unesp 98) "O quadro político é evidentemente alterado com a nova ordem: quem fazia oposição ao governo se divide em dois grandes grupos - o dos moderados, que estão no poder; os exaltados, que sustentam teses radicais, entre elas a do federalismo, com concessões maiores às Províncias. Outros, deputados, senadores, Conselheiros de Estado, jornalistas..., permanecem numa atitude de reserva, de expectativa crítica.  Deles, aos poucos surgem os restauradores ou caramurus..."

                                (Francisco lglésias, BRASIL SOCIEDADE DEMOCRÁTICA.)

O texto refere-se à nova ordem decorrente
a) da elaboração da Constituição de 1824.
b) do golpe da maioridade.
c) da renúncia de Feijó.
d) da abdicação de D. Pedro I.
e) das revoluções liberais de 1842.

41. (Uel 97) "...valorizava-se novamente o município, que fora esquecido e manietado durante quase dois séculos. Resultava a nova lei na entrega aos senhores rurais de um poderoso instrumento de impunidade criminal, a cuja sombra renascem os bandos armados restaurando o caudilhismo territorial (...). O conhecimento de todos os crimes, mesmo os de responsabilidade (...), pertencia à exclusiva competência do Juiz de Paz. Este saía da eleição popular, competindo-lhe ainda todas as funções policiais e judiciárias: expedições de mandatos de busca e seqüestro, concessão de fianças, prisão de pessoas, ..."

Em relação ao período regencial brasileiro, o texto refere-se
a) ao Ato Adicional.
b) à Lei de Interpretação.
c) ao Código de Processo Criminal.
d) à criação da Guarda Nacional.
e) à instituição do Conselhos de Províncias.

42. (Ufpr 99) O imperador D. Pedro I abdicou em favor de seu filho, Pedro de Alcântara, em 7 de abril de 1831. Devido à menoridade do príncipe, seguiu-se o chamado período Regencial (1831-1840). Sobre este período, é correto afirmar:

(01) D. Pedro I renunciou porque não atendia mais aos interesses brasileiros, após envolver-se em fatos como a dissolução da Constituinte, a repressão violenta à Confederação do Equador e a sucessão portuguesa.
(02) De seu início até 1837, a Regência pode ser considerada uma experiência autoritária e unificadora que restringiu, ainda mais, a autonomia das províncias.
(04) O período que se iniciou com a abdicação foi um dos mais agitados do Império Brasileiro, com a eclosão de inúmeras revoltas, como a Cabanagem, no Pará, a Farroupilha, no Rio Grande do Sul, a Sabinada, na Bahia, e a Balaiada, no Maranhão.
(08) A Guarda Nacional, criada pelo padre Diogo Antônio Feijó, em 1831, reforçou o poder dos latifundiários, tornando-os representantes locais dos interesses do governo central.
(16) A Constituição Imperial, outorgada em 1824, foi reformulada em parte pelo Ato Adicional de 1834 que, entre outras medidas, criou as Assembléias Legislativas provinciais e transformou a Regência Trina em Regência Una e eletiva.

Soma (       )

43. (Cesgranrio 99) A instabilidade política foi a marca mais significativa do período regencial na história do império brasileiro, quando estava em disputa a definição do modelo político do país, como sugere o(a):
a) projeto liberal da regência eletiva e da maior autonomia das Províncias assegurada pelo Ato Adicional.
b) rebelião nas províncias do norte, como a Cabanagem e a Balaiada, reflexo do apoio das oligarquias locais à política conservadora das Regências.
c) força do movimento restaurador, já que a monarquia era vista pelos liberais como a garantia da continuidade das estruturas econômicas como a escravidão.
d) estratégia da elite em mobilizar as camadas populares para pressionar por reformas sociais prometidas desde a Independência.
e) preponderância da burocracia do Conselho de Estado no comando do governo.

44. (Uel 98) Por ocasião da renúncia de D. Pedro I, 1831, conforme o estabelecido na Constituição de 1824, organizaram-se Governos Regenciais. O período de transição regencial caracterizou-se
a) pelo ato Adicional de 1834, que aboliu o voto censitário.
b) pelo banimento da Família Imperial e rebeliões.
c) pela instabilidade política e agitações sociais.
d) pelo superávit crescente na balança comercial.
e) pela desativação da poderosa Guarda Nacional.

45. (Ufpb 98) Sobre as insurreições ocorridas durante o Período Regencial e o II Reinado, relacione o movimento social à esquerda com sua característica à direita.

(1) Praieira
(2) Balaiada
(3) Sabinada
(4) Farroupilha
(5) Cabanagem

(    ) Rebelião iniciada em 1835 na província do Grão-Pará, que levou as camadas populares ao poder.
(    ) Revolta ocorrida na Bahia em 1837, com predominância das camadas médias urbanas de Salvador.
(    ) Revolta de sertanejos (vaqueiros e camponeses) e negros escravos, que abalou o Maranhão de 1838 e 1841.
(    ) A mais longa revolta da história do Império brasileiro, ocorrida no Rio Grande do Sul, de 1835 a 1845.

O preenchimento dos parênteses está sequenciadamente correto em:
a) 1, 3, 4, 2
b) 2, 1, 4, 5
c) 5, 3, 2, 4
d) 3, 4, 1, 2
e) 1, 2, 3, 4

46. (Ufrs 98) A frase "Mui leal e valorosa", existente na bandeira da capital do Rio Grande do Sul, foi uma homenagem ao fato de que a administração de Porto Alegre
a) representou a corte do Rio de Janeiro durante a maior parte do movimento dos farrapos.
b) ocupou terras no extremo sul do Brasil, em nome do rei de Portugal.
c) comandou as tropas nas lutas com os vizinhos platinos, nas guerras de demarcações de fronteiras.
d) conquistou, para a cidade, a condição de ponto mais importante da política externa do Império do Brasil.
e) planejou a operação militar que culminou na destruição dos Sete Povos das Missões.

47. (Ufrn 99) A Guerra dos Farrapos ou Revolução Farroupilha (1835-1845) eclodiu como uma reação ao(s):
a) pesados impostos cobrados pela Coroa, que diminuíam a capacidade de concorrência dos produtos gaúchos, especialmente do charque.
b) regime de propriedade das terras gaúchas, que favorecia a concentração da posse de latifúndios nas mãos dos nobres ligados à Corte.
c) intensos movimentos do exército imperial no Rio Grande do Sul, que limitavam a atuação política dos estancieiros gaúchos.
d) sistema de representação eleitoral, que excluía a possibilidade de participação política das camadas populares da sociedade gaúcha.


48. (Fei 99) O equilíbrio federativo brasileiro vem sendo discutido no Congresso Nacional e entre os estudiosos do sistema político brasileiro. A construção da federação brasileira foi obra da República em nosso país, já que, no Império, vivíamos um período de centralismo bastante acentuado. No entanto, mesmo naquele momento a discussão e os embates acerca da maior ou da menor centralização do poder estavam em pauta. Acerca da questão centralização x descentralização no período imperial é correto afirmar que:
a) a defesa do ideal descentralista era feita pelo Partido Conservador
b) o grande número de rebeliões ocorridas no Período Regencial tiveram como causa fundamental a defesa da maior liberdade para as províncias
c) a maior liberdade das províncias no período do Segundo Reinado foi obra do Conselho de Estado
d) poucas foram as manifestações a favor da descentralização política no final do Império
e) a defesa do descentralismo encontrava adeptos principalmente entre os membros da elite do Rio de Janeiro e da Bahia

49. (Ufv 99) "Nas Revoltas subseqüentes à abdicação, o que aparecia era o desencadeamento das paixões, dos instintos grosseiros da escória da população; era a luta da barbaridade contra os princípios regulares, as conveniências e necessidades da civilização. Em 1842, pelo contrário, o que se via à frente do movimento era a flor da sociedade brasileira, tudo que as províncias contavam de mais honroso e eminente em ilustração, em moralidade e riqueza."
            (TIMANDRO. "O libelo do povo", 1849)

O texto anterior estabelece uma comparação entre a composição social das rebeliões do início do período regencial e da revolução liberal de 1842. Essa visão refletia as distorções do ponto de vista da elite senhorial escravista ao julgar os movimentos populares. Historicamente, a CABANAGEM e a BALAIADA são consideradas:
a) grandes revoltas de escravos, liberadas por Zumbi dos Palmares.
b) revoltas contra a dominação da metrópole portuguesa, no contexto da crise do antigo sistema colonial.
c) revoltas de proprietários brancos, contrários à centralização política em torno da pessoa do Imperador.
d) conflitos raciais e de classe, envolvendo índios, vaqueiros, negros livres e escravos.
e) rebeliões sociais que, com o apoio dos militares, pretendiam a proclamação da república e o fim da monarquia.

50. (Uel 99) No governo do regente Araújo Lima (1837-1840) foi aprovada a Lei de Interpretação ao Ato Adicional. Esta lei
a) modificava alguns pontos centrais da Constituição vigente, extinguindo o Conselho de Estado, mas conservando o Poder Moderador e a vitaliciedade do Senado.
b) buscava a centralização como forma de enfrentar os levantes provinciais que ameaçavam a ordem estabelecida, limitando os poderes das Assembléias Legislativas Provinciais.
c) criava o Município Neutro do Rio de Janeiro, território independente da Província, como sede da administração central, propiciando a centralização política.
d) revelava o caráter liberal dos Regentes, suspendendo o exercício do Poder Moderador pelo governo, eixo da centralização política no Primeiro Reinado.
e) restabelecia os poderes legislativos dos Conselhos Municipais, colocando nas mãos dos conselheiros o direito de governar as Províncias.

51. (Ufc 2001) Entre 1835 e 1840, ocorreu no Pará uma revolta chamada de "Cabanagem". Com relação a esta rebelião, é correto afirmar:
a) os "cabanos" representavam o grupo mais radical do período da Regência, lutando por uma República sem escravos e sem grandes proprietários rurais.
b) o governo central ignorou o movimento em função das tímidas propostas de reforma social divulgadas pelos "cabanos", evitando a repressão.
c) os líderes "cabanos" eram grandes proprietários de terras, enriquecidos com o ciclo da borracha e insatisfeitos com a política de centralização do governo regencial.
d) a repressão ao movimento ocorreu em resposta aos atos de violência perpetrados pelos "cabanos", na maioria escravos rebelados e índios.
e) os "cabanos" propunham a manutenção da estrutura social vigente, apesar das tropas rebeldes serem compostas de negros, mestiços e índios.

52. (Pucrs 2002) A Revolução Farroupilha (1835-1845) no Rio Grande do Sul, inscrita no quadro nacional de revoltas provinciais, apresenta um conjunto complexo de condicionamentos específicos. Do ponto de vista econômico, é correto apontar como um desses condicionamentos
a) o incentivo do governo central à economia colonial alemã e italiana, em prejuízo da pecuária.
b) as restrições legais do governo central ao ingresso de escravos nas charqueadas gaúchas.
c) a proibição da livre exportação de trigo e gado sul-rio-grandenses para o Uruguai e a Argentina.
d) a falta de estímulo estatal à nascente indústria gaúcha, que competia desigualmente com o Rio de Janeiro e São Paulo.
e) a importação do charque platino, sem proteção para a produção similar gaúcha no mercado interno brasileiro.

53. (Unifesp 2002) No Brasil independente, os seis anos que separam o Ato Adicional (1834) da Maioridade (1840) foram chamados de "experiência republicana", devido
a) ao caráter das revoltas intituladas Cabanagem, Balaiada e Sabinada.
b) aos primeiros anos da revolução Farroupilha no Rio Grande do Sul.
c) à força do Partido Republicano na Câmara dos Deputados.
d) à extinção da monarquia durante a menoridade de D. Pedro II.
e) às Assembléias Legislativas Provinciais e à eleição do Regente Uno.

54. (Ufu 2001) Durante o período das Regências e início do Segundo Reinado, diversas rebeliões colocaram em risco a estabilidade política do Império e as relações de dominação existentes. A respeito dessas rebeliões podemos afirmar que

I - a Guerra dos Farrapos foi um movimento que pretendia a independência do Rio Grande do Sul, organizado pelos produtores de gado e charqueadores, contando com uma pequena base popular de apoio.
II - a prolongada rebelião de escravos na Bahia em 1835 (Levante Malê), que pretendia a independência da Bahia, espalhou-se por diversos estados nordestinos, recebendo a adesão dos sertanejos e exigindo auxílio de tropas de estados vizinhos para sufocá-la.
III - submetidos à escravidão e/ou intensa exploração, índios, negros e mestiços se revoltaram contra os grandes proprietários no Maranhão entre 1838 e 1841 (Balaiada), implantando uma efêmera república inspirada nos ideais do socialismo utópico, difundido pelos jornalistas e padres que lideravam o movimento.
IV - o "Manifesto ao Mundo", programa político da Revolução Praieira, propunha, entre outros itens, voto livre e universal, plena liberdade de imprensa, trabalho como garantia de vida para o cidadão brasileiro, inteira e efetiva independência dos poderes constituídos.

Assinale a alternativa correta.
a) II e III são corretas.
b) I e IV são corretas.
c) I e II são corretas.
d) III e IV são corretas.


55. (Ufrs 2000) Associe as afirmações apresentadas na coluna superior com os movimentos sociais ocorridos na primeira metade do século XIX referidos na coluna inferior.

1- Cabanada
2- Sabinada
3- Cabanagem
4- Balaiada

(   ) Foi uma revolta de caráter antiregencial e federalista, contando com o apoio das camadas médias e baixas da sociedade, que queriam manter a Bahia independente até a Maioridade de Dom Pedro II.
(    ) Iniciou como um movimento da elite paraense contra a  centralização política. Transformou-se numa rebelião popular de índios e camponeses que chegou a tomar o poder durante quase um ano.
(    ) Foi um movimento popular de caráter restaurador ocorrido em Pernambuco e Alagoas. Os revoltosos defendiam o retorno de Dom Pedro I e eram favoráveis à recolonização do Brasil.

A seqüência correta de preenchimento dos parênteses de cima para baixo é
a) 1 - 2 - 4.
b) 1 - 3 - 4.
c) 4 - 1 - 2.
d) 4 - 2 - 1.
e) 2 - 3 - 1.

56. (Puc-rio 2001) Desde a Independência do Brasil, em 1822, assistiu-se à eclosão de diversos movimentos sociais por meio dos quais os segmentos populares expressaram sua insatisfação em face de uma ordem social excludente e hierarquizadora.
Assinale a OPÇÃO que apresenta movimentos que exemplificam o enunciado acima.
a) Revolta da Armada / Ligas camponesas
b) Cabanagem / Movimento dos Sem Terra
c) Farroupilha / A guerrilha no Araguaia
d) Sabinada / Revolução Constitucionalista (1932)
e) Revolta dos Malês / Revolução de 1930

57. (Fgv 2000) Leia atentamente as afirmações abaixo sobre a Guerra dos Farrapos e assinale a alternativa correta.

I - Foi a mais longa Guerra Civil do Brasil.
II - Constituíram-se, em meio à luta, das efêmeras Repúblicas: a Juliana, em Santa Catarina, e a Piratini, no Rio Grande do Sul.
III - Entre os participantes desse movimento estava a "heroína de dois mundos", a republicana revolucionária Ana Maria de Jesus Ribeiro - Anita Garibaldi.
IV - Trata-se de uma revolução de caráter popular em que as elites foram postas à margem durante todo o processo.
V - O desfecho da revolução foi sangrento. Não houve concessões nem anistia aos Farrapos. Todos foram executados.

a) Apenas I, II e III estão corretas;
b) Apenas II, III e IV estão corretas;
c) Apenas II, IV e V estão corretas;
d) Apenas III, IV e V estão corretas;
e) Todas as afirmações estão corretas.

58. (Puc-rio 2000) Para muitos brasileiros que vivenciaram o período regencial (1831-1840), aquele foi um tempo de impasses, mudanças e rebeliões. Sobre esse período, é correto afirmar que:

I - a renúncia inesperada do Imperador D. Pedro I levou à nomeação de uma regência trina e à implantação, em caráter provisório, de um governo republicano.
II - a antecipação da maioridade de D. Pedro II, em 1840, garantiu o restabelecimento da ordem monárquica e a pacificação de todas as revoltas que ameaçavam a integridade territorial do Império.
III - houve uma série de revoltas envolvendo desde elementos das tropas regulares até escravos, destacando-se, entre elas, a Farroupilha, a Cabanagem e a Revolta dos Malês.
IV - a ausência provisória da autoridade monárquica estimulou a proliferação de projetos políticos destinados à reorganização do Estado imperial.

Assinale a alternativa:
a) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
b) se somente a afirmativa I estiver correta.
c) se somente as afirmativas II, III e IV estiverem corretas.
d) se somente as afirmativas III e IV estiverem corretas.
e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

59. (Ufpi 2000) Observe o seguinte depoimento:

"... Nasci e me criei no tempo da regência e nesse tempo o Brasil vivia, por assim dizer, muito mais na praça pública do que mesmo no lar doméstico."
            (Justiniano José da Rocha)

Partindo do comentário apresentado, é correto afirmar que:
a) a constante afluência às ruas resultava do crescimento comercial, registrado durante a Regência, nas principais cidades do país.
b) a ociosidade da nobreza brasileira estimulava a valorização dos passeios constantes nas ruas e praças do Rio de Janeiro.
c) o comércio ambulante, a cargo de escravos que eram transferidos do setor rural para as cidades, complementava a renda de seus senhores de engenhos.
d) a influência italiana nos usos e costumes da sociedade do Rio de Janeiro modificou a tradição da vida reclusa às residências.
e) a turbulência política desse período se fazia presente através das revoltas e manifestações populares nas ruas da Capital do Brasil.

60. (Pucrs 99) Responder à questão sobre os grupos políticos no Império (período regencial), numerando a coluna II de acordo com a coluna I.

COLUNA I
1. Farroupilhas
2. Chimangos
3. Caramurus

COLUNA II

(     ) Grupo composto basicamente por burocratas, comerciantes e proprietários cafeeiros do Centro-Sul. Defendiam o retorno de D. Pedro ao trono brasileiro.

(     ) Defendiam a manutenção da ordem através de um governo centralizado, opondo-se às reformas sociais e econômicas, mas admitiam alterações na Carta de 1824.

(     ) Defendiam reformas mais profundas, tais como a extensão do direito de voto e a autonomia das províncias.

(     ) Representavam parcelas da aristocracia agrária e também eram conhecidos como liberais moderados.

Relacionando-se a coluna da esquerda com a coluna da direita, obtêm-se de cima para baixo, os números na seqüência:
a) 2, 1, 3, 2
b) 3, 2, 1, 2
c) 3, 1, 2, 1
d) 1, 2, 3, 2
e) 3, 2, 1, 1

61. (Pucrs 99) Entre as práticas utilizadas pelo Estado Novo para assegurar o poder de Vargas, podemos destacar
a) a utilização de músicas populares, cartilhas e cartazes exaltando a figura do Presidente.
b) o incentivo às diferenças regionais, com a  criação de bandeiras e hinos para cada estado da federação.
c) a censura à imprensa, ao teatro e ao cinema, e a proibição de manifestações cívicas.
d) a proibição do jogo e o fechamento dos cassinos.
e) a criação de programas políticos obrigatórios na televisão e no rádio, como o programa radiofônico "A Hora do Brasil".

62. (Ufal 99) Durante o Período Regencial, desenvolveram-se movimentos políticos que colocaram em risco a unidade nacional e ocorreu o primeiro ensaio de organização partidária. A intensa agitação social que caracterizou alguns movimentos relacionou-se com
a) o caráter antidemocrático das reformas pretendidas pelos jurujubas.
b) a opressão e a miséria das camadas populares marginalizadas social e politicamente.
c) o pânico gerado pelos Caramurus, contrários à volta de D. Pedro I ao poder imperial.
d) a efetiva integração econômica das diversas províncias do império brasileiro.
e) as aspirações das camadas urbanas, favoráveis ao centralismo político-administrativo.

63. (Pucrs 2001) Dentre os fatores que levaram os gaúchos a proclamar a República Rio-Grandense, durante a Revolução Farroupilha, é correto apontar

a) a pressão exercida pelas potências estrangeiras, que se opunham ao regime monárquico brasileiro; os altos impostos cobrados pelo império; e a proibição do contrabando de gado, extremamente prejudicial aos gaúchos.
b) os acordos alfandegários feitos pelo governo imperial com potências estrangeiras, prejudiciais à economia nacional; os altos impostos cobrados pelo império; e a permissividade em relação ao contrabando, o que era prejudicial aos interesses rio-grandenses.
c) a execução de leis de caráter liberal, contrárias aos interesses do povo; a falta de investimento público no setor industrial; e a proteção excessiva das riquezas naturais do solo, buscando preservar a vegetação do pampa, o que prejudicava a economia gaúcha.
d) a pressão exercida por potências estrangeiras contra o excessivo livre-cambismo brasileiro; o incentivo à terceirização da manufatura do couro; e a proibição do contrabando, o que prejudicava os produtores gaúchos na concorrência com os produtores platinos, devido ao aumento dos seus custos de produção.
e) a execução de leis de caráter liberal, contrárias aos interesses do povo; os acordos favoráveis ao tráfico negreiro, celebrados entre o Brasil e potências estrangeiras; e a necessidade de elevar os impostos para favorecer o desenvolvimento da pecuária, o que prejudicava o setor industrial gaúcho.

64. (Ufv 2002) Das afirmativas abaixo, referentes ao Período Regencial no Brasil, assinale a CORRETA:
a) Ocorreram vários movimentos e revoltas que não se enquadravam em um único propósito, pois cada um resultava de realidades regionais específicas e de grupos sociais distintos.
b) A unidade política e territorial deste período visou à superação da crise econômica que se arrastava desde o período colonial, tendo como conseqüência o abandono da vocação agrícola brasileira.
c) O período regencial foi um dos mais agitados da história política brasileira até então, durante o qual surgiram vários partidos políticos que representavam os setores sociais revoltosos.
d) A ausência de instabilidade política neste período, devia-se ao rigor das políticas regenciais diante do federalismo e da centralização administrativa.
e) O liberalismo, marca do período regencial, incentivou a participação popular e, ao mesmo tempo, fortaleceu o poder das oligarquias sulistas e nortistas.

65. (Ufc 2002) Entre os eventos do período regencial (1831-1840), podemos citar:
a) a criação da Guarda Nacional, que garantiu a unidade do território brasileiro.
b) a extinção do poder moderador, que garantiu a democratização no cenário político nacional.
c) a Reforma Constitucional de 1834, que criou as Assembléias Provinciais com autonomia política.
d) a ameaça à centralização do poder e à unidade territorial do Brasil.
e) a eclosão de movimentos sociais, como a Guerra dos Farrapos e a Sabinada, favoráveis à volta de D. Pedro I.

66. (Ufrs 2002) Associe os acontecimentos e medidas políticas do Brasil Império listados na coluna 1 com as respectivas conjunturas políticas constantes na coluna 2.

Coluna 1
1 - Avanço Liberal
2 - Regresso Conservador

Coluna 2
(     ) aprovação do Código de Processo Criminal
(     ) criação da Guarda Nacional
(     ) definição dos partidos políticos imperiais
(     ) aprovação do Ato Adicional
(     ) Lei de Interpretação do Ato Adicional

A seqüência numérica correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
a) 1 - 1 - 2 - 2 - 1.
b) 1 - 2 - 1 - 2 - 1.
c) 1 - 1 - 2 - 1 - 2.
d) 2 - 1 - 2 - 1 - 2.
e) 2 - 2 - 1 - 1 - 2.

67. (Fgv 2003) A abdicação de D. Pedro I em 1831 deu início ao chamado período regencial, sobre o qual se pode afirmar:

I. As elites nacionais reformaram o aparato institucional de modo a estabelecer maior descentralização política.
II. Foi um período convulsionado por revoltas, entre elas, a Farroupilha e a Sabinada.
III. D. Pedro II sucedeu ao pai e impôs, logo ao assumir o trono, reformas no regime escravista.
IV. O exercício do Poder Moderador pelos regentes e pelo Exército conferia estabilidade ao regime.

As afirmativas corretas são:
a) l e ll
b) I, lI e llI
c) l e llI
d) II, lll e lV
e) II e lV

68. (Ufla 2003) Leia o texto abaixo, analise e faça o que se pede.

"Por mais estranho que pareça, a Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) está impondo o Global Standart Mobile (GSM) como única tecnologia de segunda geração a ser adotada no País e bloqueando  o uso do Code Division Multiplex  Access (CDMA) em serviços de terceira geração (3G). Como conseqüência, a agência cria a mais anacrônica reserva de mercado na área de telecomunicações."
(Artigo "Anatel" recria a reserva de mercado, O Estado de São Paulo, 13 de Abril de 2003)

O texto em questão, com base em uma situação  específica do mercado de telefonia celular do País, faz uma crítica aos procedimentos da ANATEL e, para tanto, traz de volta a chamada "Política de Reserva de Mercado" criada no início da década de 70 (1974) com o intuito de proteger a indústria de informática nacional. Tal política causou, naquele momento histórico, atritos com os EUA que em retaliação taxou produtos brasileiros naquele país.
Historicamente, práticas de "reserva de mercado" têm contribuído para a gestação de guerras. No caso específico da nossa história, qual das guerras abaixo teria sido causada por tentativas de "reserva de mercado"?

a) A Guerras dos Mascates (1710 - 1712) em Pernambuco.
b) A Guerra de Canudos (1893 -1897) na Bahia.
c) Revolta da Vacina (1904) no Rio de Janeiro.
d) Guerra no Contestado (1912 - 1916) em região fronteiriça do Paraná e Santa Catarina.
e) A Revolução Farroupilha (1835 -1845) no sul do País.

69. (Fatec 2003) O período da História do Brasil entre 1831 e 1840, conhecido como período regencial e cujas datas correspondem respectivamente à  abdicação e à maioridade de D. Pedro II, tem como um de seus traços marcantes
a) a constante luta das correntes liberais contra o sistema escravista e a monarquia.
b) a perda da influência da economia inglesa sobre o Brasil, devido à crise da produção algodoeira no Egito e na Índia.
c) o aumento do comércio de produtos primários de exportação, superando a crise do Primeiro Reinado.
d) o rompimento definitivo dos laços com Portugal, em virtude da ascensão dos liberais ao poder.
e) a instabilidade política e social, decorrente de numerosos movimentos revolucionários.

70. (Mackenzie 2003) Em 1838, o deputado Bernardo Pereira Vasconcelos escrevia:
"Fui liberal, então a liberdade era nova para o país, estava nas aspirações de todos, mas não nas leis, não nas idéias práticas; o poder era tudo, fui liberal. Hoje, porém, é diverso o aspecto da sociedade; os princípios democráticos tudo ganharam e muito comprometeram(...)"

O texto se reporta:
a) ao Ato Adicional, à instabilidade política dele decorrente e as constantes ameaças de fragmentação do território.
b) ao Golpe da Maioridade, estratégia usada pelos liberais, que favoreceu o grupo de políticos palacianos.
c) ao declínio do império, abalado pelas crises militar e da abolição.
d) à crise sucessória portuguesa e à conseqüente abdicação de Pedro I.
e) ao Ministério da Conciliação, marcado pela estabilidade econômica e pela aliança entre liberais e conservadores.

71. (Pucmg 2003) O período regencial no Brasil (1830-1840) foi um dos mais agitados da história política do país. Foram questões centrais do debate político que marcaram esse período, EXCETO:
a) a questão do grau de autonomia das províncias.
b) a preocupação com a unidade territorial brasileira.
c) os temas da centralização e descentralização do poder.
d) o acirramento das discussões sobre o processo abolicionista.


72. (Ufsm 2003) O Período Regencial no Império brasileiro (1831-1840) caracterizou-se pelo governo exercido por representantes do Poder Legislativo que promoveram
a) uma estabilidade política fundamentada no centralismo e na ampliação das atribuições do poder Moderador.
b) a criação da Guarda Nacional em 1831, composta por tropas de confiança e controlada, principalmente, pelos grandes fazendeiros, que receberam o posto de comando e o título de coronéis.
c) a mudança da Constituição de 1824 através do Ato Adicional de 1834, no qual a Regência Una passaria a ser Trina e o poder municipal se restringiria ao Executivo.
d) a criação das faculdades de Direito de São Paulo, de Olinda/ Recife e de Porto Alegre, com o fim de formar uma classe política nacional diferenciada das influências recebidas nas universidades portuguesas.
e) o surgimento de movimentos armados, que contestavam a legalidade do governo regencial, como a Revolução Pernambucana, a Cabanagem e a Revolução Farroupilha.

73. (Ufpr 2004) Ao longo do período de formação do Estado e da nação no Brasil, a Revolução Farroupilha foi, sem dúvida, a mais duradoura das manifestações contrárias ao governo imperial sediado no Rio de Janeiro. Ela durou 10 anos (1835-1845) e, durante esse tempo, revelou várias particularidades da Província do Rio Grande do Sul - as quais explicam, em parte, a longa duração do conflito. Sobre a Revolução Farroupilha e a sociedade e economia gaúchas, é correto afirmar:

(01) A Província do Rio Grande do Sul possuía uma identidade forte, marcada pela situação de fronteira que a caracterizava. Situada no interregno entre a América portuguesa e a América espanhola, suas elites recebiam influências culturais e educacionais de ambas as partes do mundo ibérico.
(02) Ao longo da Revolução Farroupilha, o Rio Grande do Sul tornou-se uma economia diversificada, que incluía a produção do açúcar e do café.
(04) O movimento farroupilha não teve, em seu início, caráter separatista ou republicano. Tratava-se, antes, de uma tentativa de estabelecer relações com o governo do Rio de Janeiro em termos federativos. À medida que este se recusou a aceitar tais termos, radicalizou-se o movimento gaúcho em direção ao separatismo e à formação de uma república independente.
(08) O "Direito das Gentes", conjunto de idéias referentes à autodeterminação dos povos, foi um dos pilares intelectuais da Revolução Farroupilha. Esse conjunto de idéias foi disseminado sobretudo a partir das ligações das elites estancieiras com os meios intelectuais platinos.
(16) Coube ao então Barão de Caxias a chefia das forças de repressão ao movimento gaúcho, no início da década de 1840.

Soma (       )

74. (Pucmg 2004) Observe com atenção os mapas a seguir. Eles mostram um momento de conflito que envolve os brasileiros no século XIX, ou seja:


a) as regiões dos conflitos entre espanhóis e sulistas pelo monopólio do charque.
b) os confrontos armados entre os Sete Povos das Missões e colonos.
c) o terreno das disputas entre as tropas farroupilhas e as tropas do exército.
d) as áreas de combate na Guerra do Paraguai e locais das batalhas decisivas.


75. (Pucpr 2004) O período Regencial da História do Brasil durou de 1831 a 1840.
Sobre o mesmo, pode-se afirmar corretamente que:
a) O Governo Regencial não estava previsto no texto da constituição e foi uma improvisação política, necessária devido à renúncia de D. Pedro I.
b) Das guerras civis que eclodiram no período, a Cabanagem foi a que mais teve a participação das elites regionais.
c) Apresentou grande instabilidade política, nele ocorrendo o perigo de fragmentação territorial, decorrente das várias guerras civis.
d) Durante o período foi alterada a constituição, o que permitiu a substituição da forma unitária do Estado pela forma denominada federação.
e) A criação da Guarda Nacional para a manutenção da ordem pública foi obra do Regente Uno Pedro de Araújo Lima.

76. (Puc-rio 2004) Ao estabelecer critérios para o exercício da cidadania, a Constituição brasileira de 1824 criou limites à participação de diversos grupos sociais na organização política do Estado. Assinale a opção que identifica corretamente revoltas e conflitos, ocorridos no Brasil, envolvendo demandas desses grupos excluídos do exercício da cidadania.
a) Revoltas Liberais de 1842 e a Revolta de Manuel Congo.
b) Sabinada e a Confederação do Equador.
c) Balaiada e a Guerra dos Farrapos.
d) Revolta dos Malês e a Cabanagem.
e) Revolta dos Praieiros e a Revolta do Quebra Quilos.

77. (Uerj 2004) A centralização (...) é a unidade da Nação e a unidade do poder. É ela que leva às extremidades do corpo social aquela ação que, partindo do seu coração e voltando a ele, dá vida ao mesmo corpo.
Visconde do Uruguai. Ensaio sobre o Direito Administrativo, 1862.
(CARVALHO, José Murilo de (org.). Visconde do Uruguai. São Paulo: Editora 34, 2002.)

O texto acima demonstra um dos fundamentos da estrutura política do Império do Brasil, que se pautava na associação entre poder forte e manutenção da unidade territorial.
Esse projeto político foi primeiramente formulado e defendido, sobretudo, pelos:
a) Luzias
b) Saquaremas
c) Republicanos
d) Liberais Radicais


78. (Uff 2004) O Período Regencial, compreendido entre 1831 e 1840, foi marcado por grande instabilidade, causada pela disputa entre os grupos políticos para o controle do Império e também por inúmeras revoltas, que assumiram características bem distintas entre si. Em 1838, eclodiu, no Maranhão, a Balaiada, somente derrotada três anos depois.
Pode-se dizer que esse movimento:
a) contou com a participação de segmentos sertanejos - vaqueiros, pequenos proprietários e artesãos - opondo-se aos bem-te-vis, em luta com os negros escravos rebelados, que buscavam nos cabanos apoio aos seus anseios de liberdade;
b) foi de revolta das classes populares contra os proprietários. Opôs os balaios (sertanejos) aos grandes senhores de terras em aliança com escravos e negociantes;
c) foi, inicialmente, o resultado das lutas internas da Província, opondo cabanos (conservadores) a bem-te-vis (liberais), aprofundadas pela luta dos segmentos sertanejos liderados por Manuel Francisco dos Anjos, e pela insurreição de escravos, sob a liderança do Negro Cosme, dando características populares ao movimento;
d) lutou pela extinção da escravidão no Maranhão, pela instituição da República e pelo controle dos sertanejos sobre o comércio da carne verde e da farinha - então monopólio dos bem-te-vis -, sendo o seu caráter multiclassista a razão fundamental de sua fragilidade;
e) sofreu a repressão empreendida pelo futuro Duque de Caxias, que não distinguiu os diversos segmentos envolvidos na Balaiada, ampliando a anistia decretada pelo governo imperial, em 1840, aos balaios e aos negros de Cosme, demonstrando a vontade do Império de reintegrar, na vida da província, todos os que haviam participado do movimento.

79. (Ufsm 2004)


            "Bravo!", jan. 2003. p. 88.

Ambientado no período da Revolução Farroupilha, o seriado "A casa das sete mulheres" evidenciava o espaço social feminino da época. A respeito desse espaço, é possível afirmar:
a) Devido ao caráter matriarcal da sociedade gaúcha, a ação feminina era preponderante na área pública.
b) Por causa da repressão às mulheres, não havia espaço social onde elas pudessem exercer posição de mando.
c) Submetidas à ordem patriarcal, as mulheres podiam imperar no espaço doméstico desde que respeitassem o poder masculino.
d) Como a ideologia liberal do século XIX estabelecia igualdade entre os sexos, as mulheres destacavam-se na política.
e) Devido ao padrão patriarcal, as mulheres detinham prerrogativas especiais na condução da vida econômica.

80. (Fgv 2005) A revolta dos malês:
a) Foi comandada por escravos e libertos muçulmanos que controlaram Salvador por alguns dias.
b) Foi iniciada por setores da elite maranhense contra as medidas centralizadoras adotadas pelo governo sediado no Rio de Janeiro.
c) Foi liderada por comerciantes paulistas contrários à presença dos portugueses na região das minas.
d) Foi articulada pelo setor açucareiro da elite baiana descontente com a falta de investimentos do governo imperial.
e) Estabeleceu uma ampla rede de quilombos em Pernambuco, desafiando a dominação holandesa.

81. (Pucpr 2005) A unidade territorial brasileira foi posta à prova no Período Regencial com revoltas armadas, tais como:

a) Balaiada, Revolução Praieira, Revolta da Cisplatina.
b) Guerra dos Farrapos, Balaiada, Sabinada.
c) Revolução Praieira, Confederação do Equador, Sabinada.
d) Noite das Garrafadas, Balaiada, Revolta da Armada.
e) Guerra dos Emboabas, Revolução Praieira, Balaiada.

82. (Fgv 2005) Documentos inéditos descobertos na Inglaterra relatam que, apenas 13 anos depois de proclamada a Independência, o governo brasileiro pediu auxílio militar às grandes potências da época - Inglaterra e França - para reprimir a Cabanagem (...) no Pará.
(...) Em 1835, o regente Diogo Antônio Feijó reuniu-se secretamente com os embaixadores da França e da Grã-Bretanha.
Durante a reunião, Feijó pediu ajuda militar, de 300 a 400 homens para cada um dos países, no intuito de ajudar o governo central brasileiro a acabar com a rebelião.
            (Luís Indriunas, "Folha de S. Paulo", 13.10.1999)

A partir das informações apresentadas pelos documentos encontrados, é correto afirmar que o período regencial
a) foi marcado pela disputa política entre regressistas e progressistas, que defendiam, respectivamente, a escravidão e a imediata abolição da escravatura.
b) pode ser considerado parte de um momento especial de construção do Estado nacional no Brasil, durante o qual a unidade territorial esteve em perigo.
c) não apresentou grande preocupação por parte das autoridades regenciais e nem da aristocracia rural, apesar das inúmeras rebeliões espalhadas pelo país.
d) teve como característica marcante a ampliação da participação popular por meio do voto universal e da criação do Conselho de Representantes das Províncias do Império.
e) teve como momento mais importante a aprovação do Ato Adicional de 1834, que estabeleceu medidas político-administrativas voltadas para a centralização política.

83. (Puc-rio 2006)        E foi justamente com o objetivo de garantir a continuidade desse "mal menor" que o governo regencial promulgou, em novembro de 1831, uma lei proibindo o tráfico negreiro para o Brasil, declarando livres os escravos que aqui chegassem e punindo severamente os importadores. Por meio dela, não se pretendia, na verdade, pôr fim ao tráfico negreiro, e sim diminuir a pressão dos interesses ingleses. Não por outra razão, comentava-se na Câmara, nas casas e nas ruas, que o ministro Feijó fizera uma lei "para inglês ver".
            (Ilmar R. de Mattos e Márcia de A. Gonçalves. "O Império da Boa Sociedade", p. 34)

Tendo como base o texto apresentado, assinale a única afirmativa CORRETA.
a) A lei anti-tráfico de 1831 não só pôs fim ao tráfico intercontinental de escravos, como igualmente viabilizou a extinção da escravidão no Brasil.
b) As pressões inglesas pelo fim do tráfico negreiro estiveram associadas à proposta de investir na industrialização do Brasil.
c) A lei anti-tráfico de 1831, ao cumprir cláusula presente nos tratados de 1827, contribuiu para a maior entrada de trabalhadores imigrantes.
d) A "lei para inglês ver", na prática, não extinguiu o tráfico intercontinental de escravos, ampliando, contudo, de forma decisiva, a polêmica sobre tal questão.
e) O ministro da Justiça, Diogo Feijó, promulgou a lei antitráfico de 1831 em função das ameaças inglesas de restringir o comércio com o Brasil.

84. (Ufc 2007) Leia o texto a seguir.
            "Os anos que marcaram o início do Império não serviram para atenuar o domínio regional de cargos administrativos, militares e policiais por parte de algumas famílias cearenses, principalmente após a criação da Guarda Nacional. Mas trouxe uma nova roupagem, onde os grupos familiares se transvertiam sob os panos dos partidos políticos."
            VIEIRA JR., Antônio Otaviano. "Entre paredes e bacamartes: história da família no sertão (1780-1850)". Fortaleza: D. Rocha, Hucitec, 2004, p. 220.

Os liberais ou chimangos, sob o domínio inicial dos Alencares, e os conservadores ou caranguejos, chefiados originalmente pela facção Boticário-Carcará, alternaram-se na direção da província do Ceará, durante parte da Regência e do Segundo Reinado. Quanto à ação desses grupos no poder, pode-se dizer corretamente que:
a) diferentemente do adversário, o Partido Liberal não poupava os correligionários, no intento da centralização política.
b) os chimangos combatiam firmemente as famílias poderosas do sertão, reunidas, em sua totalidade, no Partido Conservador.
c) os dois partidos agiam no interesse exclusivo da política imperial, não a confundindo com os objetivos familiares ou grupais.
d) os caranguejos, defensores irresolutos do fortalecimento do poder central, embatiam-se indiscriminadamente com os potentados locais.
e) os dois partidos se assemelhavam, entre outras coisas, pela aplicação seletiva das leis, ambos se utilizando do poder auferido para perseguir o adversário.

85. (Ufc 2007) Leia o texto a seguir.
            "O que fazer com a revolução? Havia basicamente três respostas: negar (os absolutistas ou ultramonarquistas), completar e encerrar (vertente conservadora do liberalismo) e continuar (vertente revolucionária do liberalismo). Impossível era ignorá-la."
            MOREL, Marcos. "O período das Regências (1831-1840)". Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003, p. 21.

O texto faz referência ao contexto posterior à abdicação de D. Pedro I, detendo-se nas concepções sobre a revolução dos três grupos políticos que se embateram durante a Regência Trina (1831-1834). Assinale a alternativa que contempla esses três grupos.
a) Saquaremas, luzias e caramurus.
b) Restauradores, moderados e exaltados.
c) Partido Brasileiro, Partido Português, Partido Inglês.
d) Partido Conservador, Partido Liberal e Partido Republicano.
e) Partido Conservador, Partido Liberal e Partido Progressista.

86. (Pucpr 2007) "Esta batalha vamos vencer. Después alguém conta a notícia para Bento Gonçalves, lá no Rio de Janeiro, para alegrá-lo um pouco em seus pesares. O tio há de apreciar essa vitória. Uma vitória macanuda. Os imperiais estão fugindo feito formigas."
            (Wierzchowski, Letícia. "A casa das sete mulheres". 5 ed.,Record, 2003,p.149).

O texto lembra:
a) Cabanagem.
b) Revolução Federalista.
c) Sabinada.
d) Balaiada.
e) Revolução Farroupilha.

87. (Ufrs 2005) Observe a ilustração reproduzida a seguir, que satiriza a atuação dos denominados "corcundas", os membros do Partido Restaurador em Pernambuco.


A respeito da referida agremiação política, existente nos primeiros anos do período regencial, é correto afirmar que, em nível nacional, seus membros eram também conhecidos como
a) "jurujubas" e defendiam a autonomia provincial, além da descentralização do poder imperial.
b) "chimangos" e defendiam a manutenção da ordem existente, em particular a monarquia e a escravidão.
c) "caramurus" e defendiam a volta de D. Pedro I ao Brasil, além da manutenção do absolutismo monárquico.
d) "maragatos" e defendiam a implantação do regime republicano e a abolição imediata da escravidão.
e) "farroupilhas" e defendiam o sistema federativo, além da liberdade de imprensa e de associação.

88. (Ufmg 2007) De 1835 a 1845, ocorreu o mais longo conflito militar interno da história do Brasil - a chamada Guerra dos Farrapos, ou Rebelião Farroupilha.
Considerando-se esse conflito, é CORRETO afirmar que
a) o apelido dado aos revoltosos - farroupilhas - fazia alusão ao caráter do movimento e de seus principais líderes, oriundos das camadas populares gaúchas.
b) o Governo Central, a fim de possibilitar o final do conflito, atendeu a uma das principais reivindicações dos rebeldes: a libertação dos escravos negros da Província.
c) o movimento rebelde, com diferentes correntes internas, defendia interesses rio-grandenses - como diminuição de impostos e maior autonomia política.
d) os rebeldes rio-grandenses se uniram aos republicanos argentinos, com o objetivo de fortalecer as tropas, aumentar o poderio bélico e reafirmar os ideais federalistas.

89. (Unifesp 2007) Como elemento comum aos vários movimentos insurrecionais que marcaram o período regencial (1831-1840), destaca-se
a) a oposição ao regime monárquico.
b) a defesa do regime republicano.
c) o repúdio à escravidão.
d) o confronto com o poder centralizado.
e) o boicote ao voto censitário.

90. (Ufpi 2007) Leia o texto a seguir.

"As revoltas do período regencial não se enquadram em uma moldura única. Elas tinham a ver com as dificuldades da vida cotidiana e as incertezas da organização política, mas cada uma delas resultou de realidades específicas, provinciais ou locais".
            (Boris Fausto. "História do Brasil". São Paulo: EDUSP, 2001, p.164)

A partir desse texto e dos seus conhecimentos, assinale a alternativa correta sobre a Balaiada no Piauí.
a) Iniciou-se em Pernambuco e atingiu o Piauí em virtude das disputas entre as elites das duas províncias.
b) Caracterizou-se por uma forte presença de grandes proprietários rurais que exigiam o retorno do imperador D. Pedro I.
c) Foi um movimento dos criadores de gado e grandes comerciantes em defesa do federalismo, da república e do fim da escravidão.
d) Foi uma revolta organizada por pequenos produtores rurais em defesa da religião católica, que julgavam ameaçada pelo protestantismo.
e) Envolveu muitos elementos provenientes das classes populares e teve como uma das causas a insatisfação da população com o recrutamento militar obrigatório.

91. (Unesp 2007) Sobre as revoltas do Período Regencial (1831-1840), é correto afirmar que
a) indicavam o descontentamento de diferentes setores sociais com as medidas de cunho liberal e antiescravista dos regentes, expressas no Ato Adicional.
b) algumas, como a Farroupilha (RS) e a Cabanagem (PA), foram organizadas pelas elites locais e não conseguiram mobilizar as camadas mais pobres e os escravos.
c) provocavam a crise da Guarda Nacional, espécie de milícia que atuou como poder militar da Independência do país até o início do Segundo Reinado.
d) a Revolta dos Malês (BA) e a Balaiada (MA) foram as únicas que colocaram em risco a ordem estabelecida, sendo sufocadas pelo Duque de Caxias.
e) expressavam o grau de instabilidade política que se seguiu à abdicação, o fortalecimento das tendências federalistas e a mobilização de diferentes setores sociais.

92. (Faap 96) É objeto de disputas com os franceses e, depois, os holandeses, que ocupam a região até 1645. Durante o século XVII, vilas e engenhos são atacados pelos negros fugitivos reunidos no Quilombo de Palmares (20 mil habitantes em aldeias confederadas; destruído em 1694, após quase cem anos de existência). No Império, é atingida por movimentos políticos como a Confederação do Equador e a Cabanagem.

O Estado da Federação de que fala o texto é:
a) Amapá
b) Acre
c) Bahia
d) Alagoas
e) Amazonas



GABARITO

1. [C]

2. 04 + 16 = 20

3. 01 + 02 + 08 + 16 + 32 = 59

4. [A]

5. 01 + 08 + 16 + 32 = 57

6. V V V F F

7. [A]

8. [E]

9. V F V F

10. [C]

11. [B]

12. [E]

13. [E]

14. [C]

15. [D]

16. [C]

17. [E]

18. [B]

19. [A]

20. [E]

21. [C]

22. [D]

23. [C]

24. [B]

25. [B]

26. [D]

27. [C]

28. [A]

29. [B]

30. [C]

31. [E]

32. [D]

33. [D]

34. [D]

35. [B]

36. [E]

37. [B]

38. [C]

39. [E]

40. [D]

41. [C]

42. 01 + 04 + 08 + 16 = 29

43. [A]

44. [C]

45. [C]

46. [A]

47. [A]

48. [B]

49. [D]

50. [B]

51. [E]

52. [E]

53. [E]

54. [B]

55. [E]

56. [B]

57. [A]

58. [D]

59. [E]

60. [B]

61. [A]

62. [B]

63. [B]

64. [A]

65. [D]

66. [C]

67. [A]

68. [E]

69. [E]

70. [A]

71. [D]

72. [B]

73. 01 + 04 + 08 + 16 = 29

74. [D]

75. [C]

76. [D]

77. [B]

78. [C]

79. [C]

80. [A]

81. [B]

82. [B]

83. [D]

84. [E]

85. [B]

86. [E]

87. [C]

88. [C]

89. [D]

90. [E]

91. [E]

92. [D]


2 comentários:

  1. Gostei muito do seu blog. Até compartilhei seu trabalho no meu blog. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns! Ótimo banco de questões!

    ResponderExcluir